Tempo
|
A+ / A-

Cimeira Rússia-EUA

Biden e Putin procuram consenso difícil em Genebra

16 jun, 2021 - 14:09 • Hélio Carvalho

Depois de Trump, Vladimir Putin vai encontrar em Joe Biden um homólogo diferente e que não fechará tanto os olhos aos ataques russos. Depois de vários ataques pessoais e informáticos, os dois líderes procuram chegar a um acordo no país da neutralidade diplomática.

A+ / A-

"Espero que a nossa reunião seja produtiva". Depois de muita expectativa, acusações de ataques informáticos e até alguns insultos, os Presidentes da Rússia e dos Estados Unidos da América encontraram-se pela primeira vez esta quarta-feira desde que Joe Biden tomou as rédeas da Casa Branca, em janeiro.

Vladimir Putin e Joe Biden deram o primeiro aperto de mão numa villa às portas de Genebra, na Suíça, banhada pelo Lago Léman. Depois do cumprimento supervisionado pelo Presidente suíço, Guy Parmelin, os dois trocaram umas palavras em frente às câmaras e foram para uma sala privada.

"Queria agradecer-lhe a iniciativa por nos encontrarmos hoje [quarta-feira]. Ainda assim, as relações entre EUA e Rússia acumularam muitos problemas que requerem uma reunião ao mais alto nível", afirmou o Presidente russo, antes dos dois fugirem dos olhares da imprensa durante as próximas horas.

"Muitos problemas" poderá ser uma subestimação por parte de Putin. Biden e Putin têm trocado farpas um ao outro, e a relação diplomática entre os dois países só tem piorado nos últimos meses, desde que o atual Presidente americano substituiu Donald Trump.

Os Estados Unidos têm atacado a Rússia em vários pontos e com muitas sanções, especialmente em torno de questões relacionados com direitos humanos. Os americanos contestam o tratamento do opositor russo Alexei Lavalny, que permanece detido e viu os seus grupos de apoio serem proibidos pelos tribunais do país.

Além disso, a Casa Branca continua a defender que a Crimeia pertence ao território ucraniano, mesmo depois da anexação por parte da Rússia em 2014 - esta defesa da Ucrânia chegou ao ponto de, esta semana, Biden ter sugerido que estaria para breve a entrada do país na NATO, o que colocaria as fronteiras da aliança atlântica mais perto de Moscovo do que na altura da cortina de ferro, na Guerra Fria.

E os Estados Unidos também têm criticado o apoio de Vladimir Putin ao regime ditatorial de Lukashenko na Bielorrússia, que no último ano viu a contestação no país aumentar sob a forma de manifestações enormes.

Clima de pirataria digital preocupa

Tudo isto são questões de política externa, no entanto. O maior ponto de debate poderá ser, como tal, a influência direta da Rússia na vida dos Estados Unidos.

Nas últimas três eleições, as autoridades americanas provaram que serviços secretos russos tentaram influenciar as eleições nos EUA, com a primeira, a de 2016, a contribuir diretamente para uma onda de desinformação que ajudou o então candidato Donald Trump.

E no mês passado, piratas informáticos russos, alegadamente apoiados pelo Governo, atacaram vários serviços americanos, deixando temporariamente em alerta o fornecimento de combustível numa boa parte do país.

Como tal, a cimeira entre Putin e Biden não deverá ser uma reunião curta e definitiva. Há poucos tópicos nos quais os dois homólogos concordam e poderão encontrar consensos mais rapidamente, nomeadamente em políticas climáticas.

O assassino e o espelho

No meio de políticas divergentes e acusações de autoritarismo, Vladimir Putin e Joe Biden encontram-se depois de meses de ataques bem diretos e sem espinhas um ao outro.

O mais mediático deu-se durante o mês de maio, quando Joe Biden disse sem rodeios que o Presidente russo era "um assassino".

A resposta de Putin não tardou, dizendo que "quem diz é quem é" e deixou no ar uma mensagem críptica: "Desejo-lhe saúde". Antes da cimeira, Vladimir Putin sentou-se para uma entrevista exclusiva à NBC, riu-se e disse que os Estados Unidos têm de se "olhar no espelho".

O clima é, portanto, longe de amigável. E longe, certamente, da confiança atribuída por George W. Bush em 2001, quando o então Presidente americano afirmou que conseguiu "olhar para a alma" de Putin e determinou que era "de confiança".

Também Donald Trump disse que confiava mais nas promessas de Putin sobre interferência russa nas eleições do que nos seus serviços de inteligência. Tanto as declarações de Bush como de Trump foram marcantes nas relações históricas de EUA e Rússia, com as de Trump a ficaram perdidas nos vários elogios a outros líderes autoritários e ditatoriais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+