Tempo
|
A+ / A-

EUA-Rússia

Putin e Biden, das acusações à “água na fervura”

19 mar, 2021 - 17:25 • Pedro Mesquita , Filipe d'Avillez

O aumento da tensão entre os EUA e a Rússia revelam o posicionamento de Joe Biden nas relações entre os dois países e podem até ser usadas por Putin para consolidar o seu poder, nas opiniões de Germano Almeida e o embaixador Mário Godinho Matos.

A+ / A-

Depois de graves trocas de acusações, o Presidente da Rússia estendeu esta sexta-feira um ramo de oliveira na direção de Washington, desafiando Joe Biden a conversar sobre assuntos de interesse mútuo.

Na semana em que os serviços secretos norte-americanos confirmaram as suspeitas de ingerência do Kremlin nas últimas presidenciais, Joe Biden prometeu que a Rússia vai pagar por isso.

Entrevistado pela cadeia de televisão ABC, o novo presidente dos EUA confirmou que vê Putin como um assassino levando Vladimir Putin a reagir de imediato, recorrendo à velha máxima: “Quem o diz é quem o é”.

A tensão é agravada pelo facto de terem acabado de entrar em vigor novas sanções norte-americanas contra interesses russos e Putin ter feito regressar a Moscovo o seu embaixador em Washington.

Esta sexta-feira o Presidente russo voltou a falar, propondo a Biden uma reunião por videochamada. Em declarações à Renascença, Mário Godinho de Matos, antigo embaixador de Portugal na Rússia, explica que Putin estará agora a por água na fervura.

“Dá-me a impressão que sim, sobretudo por estas declarações que são já de hoje e que inclusive propõem uma agenda para essa conversa, designadamente falar de relações bilaterais, de estabilidade estratégica, a questão mais geral dos armamentos, os conflitos regionais, inclusive fala da luta contra a pandemia”, diz.

“Evidentemente que Putin está também a falar para a sua população e diz que só cooperará com os Estados Unidos nas áreas do seu interesse e nos termos que achar favoráveis. Quanto à questão de chamar o embaixador, não podemos considerar que seja uma atividade de rotina, mas pelos sinais que vejo estou convencido que o embaixador voltará a Washington dentro de um tempo razoável”, espera Mário Godinho de Matos.

Porém, o embaixador considera que Putin também pode usar a seu favor a retórica de Biden. “Há até quem diga que essa afirmação só vem fortalecer o Putin, que como se sabe vai ter eleições e pode, inclusive, fortalecer muito o seu eleitorado, em torno dele, a defender a sua figura, mas isso são tudo especulações.”

“O que eu acho é que Putin está a reagir pela positiva, como aliás disse, sugerindo que desejava boa saúde a Biden, logo no primeiro momento”, conclui.

Mas porque razão Biden optou por usar termos tão fortes na subida da retórica com a Rússia? O analista de política americana, Germano Almeida, diz que Biden quer marcar posição.

“Mostra o posicionamento de Biden, de que o regresso da América não é mostrar uma América 'soft' em que o 'softpower' é que vale tudo. Não, mostra um posicionamnto em que Washington dá prioridade às democracias e reserva-se ao direito de identificar quais são as verdadeiras democracias e quais são as autocracias que se vai bater por travar e conter. E claramente as duas autocracias que mais ameaçam a visão liberal-democrática que os Estados Unidos querem voltar a liderar no pós-Trump são a China e o projeto expansionista de Xi Jin Ping e Putin e a forma como Putin insiste em interferir na soberania dos outros estados.”

“Naturalmente, o que este relatório mostra é que Biden não permitirá que algo que aconteceu em 2016 e 2020 se repita, dos russos tentarem interferir na escolha soberana dos americano”, diz.

Contudo, garante Germano Almeida, não estamos perante o risco de um regresso ao contexto de Guerra Fria.

“Creio que tem a ver com o agravamento de sanções do ponto de vista da sua configuração económica, diplomática, tensão certamente ao nível diplomático, e por outro lado uma demarcação mais clara em relação ao facto de a Rússia ser um inimigo dos Estados Unidos e não pode ser complacente com isso.”

“Obviamente não estamos já no tempo da Guerra Fria, recordo que dias antes, os mesmos Putin e Biden, que agora trocam acusações fortes, acordaram em prolongar o acordo START entre os Estados Unidos e a Rússia, no sentido de reduzir material nuclear dos dois, sendo que Estados Unidos e Rússia, juntos, têm cerca de 93% do total do poder nuclear do mundo, e portanto não esperemos um regresso de Guerra Fria, a nível de tensão armamentista, mas esperemos um agravar de posições em relação a visões do mundo, alianças regionais e tensões diplomáticas”, conclui.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+