Tempo
|
A+ / A-

G7 não reconhecerá tentativas da Rússia para legitimar ocupação da Crimeia

18 mar, 2021 - 13:08 • Lusa

“Não reconhecemos e não reconheceremos”, dizem os sete grandes, defendendo que “a Rússia violou abertamente o direito internacional”. Biden já chamou “assassino” a Putin. A anexação aconteceu há sete anos.

A+ / A-

O G7 declarou nesta quinta-feira, através de um comunicado, que não reconhecerá “as tentativas da Rússia de legitimar a ocupação” da Crimeia, revelando um clima de forte tensão com Moscovo.

“Denunciamos inequivocamente a ocupação temporária da República Autónoma da Crimeia e da cidade de Sebastopol pela Rússia”, afirmam os países do G-7 (Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Japão, Reino Unido + UE), quase sete anos após o início do conflito.

"Não reconhecemos e não reconheceremos as tentativas da Rússia de legitimar esta ocupação”, indica a nota do G7.

"Sete anos após a anexação ilegítima e ilegal da República Autónoma da Crimeia e da cidade de Sebastopol pela Rússia, reafirmamos o nosso apoio e compromisso inabaláveis com a independência, soberania e integridade territorial da Ucrânia dentro das suas fronteiras internacionalmente reconhecidas", insistiram os ministros dos Negócios Estrangeiros do grupo, bem como o Alto Representante da União Europeia.

"Ao usar a força contra a integridade territorial da Ucrânia, a Rússia violou abertamente o direito internacional e esses princípios", acrescentaram.

Putin inaugura ligação direta à Crimeia. Está selada a anexação?
Putin inaugura ligação direta à Crimeia. Está selada a anexação?

Os signatários opõem-se "firmemente à continuação da desestabilização da Ucrânia pela Rússia e, em particular, às ações que esta última está a tomar em certas áreas das regiões de Donetsk e Lugansk, desafiando os compromissos que assumiu nos Acordos de Minsk".

"O advento da paz requer a plena implementação dos Acordos de Minsk. A Rússia é parte no conflito no leste da Ucrânia e não um mediador neste conflito", refere ainda a nota.

Esta declaração vai ao encontro do que disse o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, no final de fevereiro, de que "nunca" aceitaria a anexação da península da Crimeia pela Rússia.

Este é um sinal da vontade do novo Governo norte-americano de se opor mais firmemente à Rússia.

Na quarta-feira, Biden descreveu o Presidente russo, Vladimir Putin, como um "assassino", facto que irritou Moscovo.

O conflito entre os combatentes apoiados pela Rússia e as tropas ucranianas custou mais de 13.000 vidas desde 2014, quando a Rússia anexou a Crimeia e as forças pró-russas rebelaram-se contra Kiev no leste da Ucrânia.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+