Tempo
|
A+ / A-

Rússia. Aliados de Navalny alvo de rusgas da polícia

21 abr, 2021 - 10:50 • Lusa

A operação decorreu em, pelo menos, 20 cidades russas, indicam várias ONG. Alexei Navalny é o mais conhecido crítico de Vladimir Putin e do Governo russo. Está preso e em risco de vida, num hospital.

A+ / A-

A polícia russa realizou uma série de buscas a instalações relacionadas com Alexei Navalny, nomeadamente em São Petersburgo, tendo detido várias pessoas, denunciaram aliados do opositor nesta quarta-feira, antes das manifestações anunciadas.

De acordo com uma mensagem difundida através do Twitter pelo advogado Vladimir Vorodine, a polícia prendeu, entre outros, Lioubov Sobol, uma das figuras do movimento de oposição liderado por Navalny.

Segundo organizações não-governamentais, as rusgas policiais decorreram em pelo menos 20 cidades russas durante a última madrugada.

Alexey Navalny, o crítico de Vladimir Putin mais conhecido, encontra-se a cumprir uma greve de fome no hospital da colónia penitenciária onde se encontra preso.

Na segunda-feira, o opositor do Governo russo foi transferido para um hospital prisional e os serviços divulgaram um comunicado, segundo o qual o seu estado de saúde era "satisfatório" e que, "com o seu consentimento, lhe foi prescrito um tratamento com vitaminas".

Navalny está em greve de fome há quase três semanas e a falta de alimento está a causar-lhe danos graves na saúde.

A transferência motivou preocupações acrescidas entre os seus apoiantes, e as declarações do advogado do opositor de Putin, contraditórias com as dos serviços prisionais russos, não ajudaram a acalmar quem quer a sobrevivência de Navalny.

Os apoiantes do dirigente da oposição preparavam manifestações de apoio em várias cidades da Rússia quando foram alvo de buscas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+