Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Guerra na Ucrânia

Tropas russas acusadas de não respeitar cessar-fogo em Mariupol

05 mar, 2022 - 07:05 • Redação com Lusa

Rússia anunciou criação de corredores humanitários para retirada de civis também em Volnovakha. Cessar-fogo temporário começou às 07h00.

A+ / A-

Veja também:


A Rússia anunciou, este sábado, um cessar-fogo temporário, a partir das 7h00, para a abertura de corredores humanitários que permitam a retirada de civis das cidades ucranianas de Mariupol e Volnovaja. No entanto, a câmara municipal de Mariupol garante que o cessar-fogo não está a ser respeitado pelo lado russo.

"Estamos a negociar com o lado russo para confirmar o cessar fogo ao longo de toda a rota de evacuação", é dito numa declaração oficial, citada pela agência Reuters.

Eis por onde passa o corredor humanitário que foi criado: Mariupol - Nikolske - Rozivka - Polohy - Orikhiv - Zaporizhzhia.

O cessar-fogo havia sido anunciado este sábado ao início da manhã.

"Hoje, 5 de março, é anunciado um cessar-fogo a partir das 10h00, hora de Moscovo, e a abertura de corredores humanitários para a saída de civis de Mariupol e Volnovaja", disse o Ministério da Defesa russo.

Antes, o autarca de Mariupol tinha afirmado que o porto estratégico de Mariupol se encontrava "sob bloqueio" e era alvo de "ataques impiedosos" do exército russo.

Marioupol, cidade com cerca de 450 mil habitantes junto ao mar de Azov, no leste da Ucrânia, está "sob bloqueio" e é, há cinco dias, alvo de "ataques impiedosos", escreveu Vadim Boitchenko no Telegram.

"A nossa prioridade é conseguir um cessar-fogo para que possamos restabelecer as infraestruturas vitais e criar um corredor humanitário para fazer chegar alimentos e medicamentos à cidade", acrescentou.

O controlo de Mariupol é estratégico para a Rússia, uma vez que permitiria garantir uma continuidade territorial entre as forças vindas da Crimeia e as que chegam dos territórios separatistas pró-russos da região de Donbass.

A Rússia lançou, na madrugada de 24 de fevereiro, uma ofensiva militar à Ucrânia e as autoridades de Kiev contabilizaram, até ao momento, mais de 2.000 civis mortos, incluindo crianças. Segundo a ONU, os ataques já provocaram mais de 1,2 milhões de refugiados.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas para isolar ainda mais Moscovo.

[notícia atualizada às 10h56 de sábado, 5 de março de 2022]

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+