Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

De comediante a Presidente da Ucrânia. Quem é Volodymyr Zelenskiy?

25 fev, 2022 - 21:58 • Daniela Espírito Santo

Saiba como um ator, conhecido por fingir ser Presidente numa série de TV, se tornou líder de uma nação atacada pela Rússia.

A+ / A-
Foto: Reuters
Foto: Reuters


Se, há quatro anos, perguntasse a algum ucraniano quem era Volodymyr Zelenskiy, iria receber uma resposta surpreendente. O atual Presidente da Ucrânia era um conhecido comediante, famoso pela sua sátira e, entre outras coisas, por fingir tocar piano com... as "partes baixas". Em 2019, no entanto, catapultou o seu sucesso e assumiu um papel bem mais sério, o de líder da nação.

Apesar de tudo, o papel não lhe era estranho: Zelenskiy, 44 anos, venceu as eleições presidenciais ucranianas depois de estrelar a série "Servant of the People", onde era Presidente. Tornou-se na personagem que interpretava, vida a imitar arte, mas qualquer semelhança com a realidade é pura coincidência. Nem os escritores da série poderiam adivinhar o papel que cumpriria em 2022, como líder de um país atacado pelo poderoso vizinho, a Rússia de Vladimir Putin.

"Servir o povo" na TV e na realidade

Na televisão, Zelenskiy era Vasily Goloborodko, um professor de História irritado com a corrupção no seu país que, um dia, acordou e era Presidente da Ucrânia, depois de um aluno o ter filmado à socapa. A personagem lutava contra os poderosos oligarcas e contra um parlamento corrupto. Era visto como um líder sem carreira, mas sem mácula, inexperiente, mas honesto.

Usando a sátira como principal arma, a "persona" de Zelenskiy acabaria por cativar o público e daria origem a uma campanha bem sucedida, embora ironicamente polémica, ou não fosse financiada por um oligarca ucraniano investigado por fraude nos EUA.

O Trump da Ucrânia

O seu posicionamento como elemento "fora da caixa" e afastado dos poderosos políticos habituais rendeu-lhe uma vitória expressiva de mais de 70% contra Poroshenko, Presidente em exercício. Na altura, chamaram-lhe "o Trump da Ucrânia" devido à sua inexperiência política, mas a opinião do público foi mudando ao longo do tempo, quase tão volátil como a jovem democracia na região.

Ironicamente, seria ele a causar um escândalo internacional que envolveria, precisamente, Trump: o primeiro "impeachment" do antigo Presidente norte-americano aconteceria após uma agora famosa chamada entre Trump e Zelenskiy, em 2019, em que Trump tentava convencer o ucraniano a investigar os negócios da família Biden no país.

Agora Zelenskiy, que usou como bandeira de campanha a promessa de paz ao leste da Ucrânia, encontra-se agora a braços com uma invasão e um dos argumentos da Rússia é a situação da população russófona nas zonas separatistas. O que podemos esperar dele nos próximos tempos?

Ainda antes da invasão russa, Zelenskiy já viralizara nas redes sociais um pouco por todo o planeta ao dirigir-se, em russo, aos seus agora inimigos, pedindo à nação vizinha que travasse os desejos de Putin. Um poderoso e histórico discurso que ecoou pelo mundo, mas de nada serviu. A Ucrânia haveria de ser invadida horas depois, na madrugada de quinta-feira.

Zelenskyi dirige-se aos cidadãos russos e apela à paz “antes que seja tarde demais”
Zelenskyi dirige-se aos cidadãos russos e apela à paz “antes que seja tarde demais”

Zelenskiy falou em russo à nação vizinha, num gesto que apenas surpreendeu quem não conhece o seu passado. Filho de judeus, Zelenskiy cresceu numa zona ucraniana pró-Rússia mas, no seu curto percurso político, conseguiu deixar para trás as alegações de apoio a oligarcas e ao perigoso inimigo da "porta" ao lado e posicionou-se como um nacionalista.

Apesar da sua pouca experiência política e da sua carreira longe dos caminhos diplomáticos mais convencionais, Zelensky recebe, agora, o apoio do seu povo e é visto como um bom líder. Uma analista política ucraniana citada pelo New York Times, Maria Zolkina, assegura que Zelenskiy não é "Presidente de guerra mas, desde que se tornou claro a extensão do ataque, ele age exatamente como um Presidente deveria agir durante tempos de guerra".

Zelenskiy não arreda pé de Kiev, horas antes da expectável tomada da capital ucraniana. Mesmo sabendo que é o "inimigo número 1" da Rússia e tem a cabeça a prémio. "A minha família é o alvo número dois", diz, garantindo que, mesmo assim, não abandonará a capital.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joaquim
    03 mar, 2022 Paços 10:05
    Para mim, e ao contrário de 99% das pessoas, não é um herói , mas um pulha igual ao Putin! Para mim seria um herói se tivesse conseguido aderir, não à NATO, mas à UE! Com um pouco de inteligência e humildade (e não andar a provocar todos os dias o pulha, ditador, o monstro do Putin), teria conseguido aderir à EU e assim, mesmo sem aderir à NATO, teria conseguido evitar todo este sofrimento e milhares de mortos! Assim, para mim, é co-responsável por esta desgraça toda!

Destaques V+