Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Guerra no Leste. Como ajudar a Ucrânia e os ucranianos?

26 fev, 2022 - 12:45 • Marta Grosso com agências

“As pessoas não querem muito saber de sanções; querem saber de ajuda material ou até física”, dizia, neste sábado, a jornalista da SIC Irina Shev, em serviço especial para a Renascença. E não faltam iniciativas.

A+ / A-

Veja também:


À medida que a situação na Ucrânia se agrava com os ataques da Rússia, multiplicam-se iniciativas para ajudar a população e o Exército. Bens, munições, dinheiro e apoio espiritual, tudo é possível através de várias instituições e organizações.

O primeiro-ministro português, António Costa, deu instruções para que as embaixadas de Portugal na Ucrânia e nos países limítrofes concedam vistos imediatos para cidadãos ucranianos, estando o Governo numa "ação ativa" de "identificação de oportunidades de trabalho".

O Alto Comissariado para as Migrações (ACM) criou um e-mail específico e uma Linha de Apoio a Migrantes, em ucraniano para os refugiados que venham daquele país.

Os contatos disponibilizados são sosucrania@acm.gov.pt, que serve para que seja dada informação aos cidadãos que queiram vir para Portugal, para além de também estar disponível a Linha de Apoio a Migrantes, em ucraniano, através do contacto +351 218 106 191.

A Ordem dos Notários disponibilizou um serviço gratuito para cidadãos ucranianos com filhos menores que precisem de enviar autorizações de viagem para a Ucrânia. Para tal devem contactar a Ordem através do 210547459 ou do e-mail ucrania@notarios.pt.

Também os advogados portugueses estão a preparar uma plataforma de contactos de profissionais dispostos a ajudar de modo gratuito os cidadãos ucranianos que queiram vir para Portugal.

Apoio à população

O Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP) criou a plataforma Portugal for Ukraine, destinada a centralizar as ofertas de emprego das empresas nacionais para refugiados ucranianos.

Também foi criada a "We Help Ukraine", um "projeto solidário nacional e global que liga pessoas" através de uma plataforma que se propõe ser o "ponto de encontro de quem precisa de ajuda e de quem quer disponibilizar alojamento, medicamentos e ofertas de trabalho" para as vítimas da guerra na Ucrânia.

A Cáritas Portuguesa lançou a campanha “Ucrânia: Proteger e salvar vidas”, que pretende angariar donativos. O objetivo é "reforçar a capacidade de resposta da Cáritas na Ucrânia, nos países fronteiriços e o eventual acolhimento a famílias deslocadas em Portugal". Os donativos podem ser feitos através do IBAN PT50.0033.0000.01090040150.12 ou através do Multibanco: Entidade 22222 / Referência 222 222 222.

A Cáritas já se tinha comprometido a doar 20 mil euros à sua congénere ucraniana, num “sinal da nossa solidariedade com esta população e garantir que a Cáritas da Ucrânia tem condições de continuar o seu trabalho junto das pessoas afetadas através da distribuição de alimentos, água potável, abrigo seguro e kits de higiene”.

A instituição da Igreja, em parceria com outras entidades, organiza, dia 12 de março, às 16h00, no Parque Mayer, em Lisboa, um concerto solidário.

“Todos temos o dom de melhorar a vida de alguém” é o mote para este concerto solidário que conta com a participação de Rosa Antunes; Ana Isabel; Beatriz Oliveira; Maria Inês e Madalena Guedes.

O Patriarcado de Lisboa destina parte da renúncia quaresmal à Cáritas Diocesana de Lisboa, para “apoiar as necessidades do povo ucraniano, duramente atingido pela guerra”.

A People in Need está na Ucrânia a ajudar mais de 200 mil pessoas com bens alimentares, água potável, fornecendo abrigos de emergência, assistência financeira, entre outros serviços.

Para fazer um donativo, deve aceder ao site e escolher a opção SOS Ukraine.

O município de Famalicão está a coordenar uma onda de solidariedade e de acolhimento e prepara-se para alterar os regulamentos de apoios sociais para conseguir dar resposta imediata extraordinária aos cidadãos que cheguem fugidos do conflito.

A Associação Fuso, em parceria com a SIC Esperança e a Fundação Benfica está a promover até ao dia 5 de março, uma campanha nacional de recolha e doação de bens para as famílias de refugiados que se encontram na Ucrânia, vítimas do conflito militar que está a acontecer no país.

A campanha “Juntos pela Ucrânia" tem como objetivo apoiar as famílias vítimas da guerra que permanecem no país, mas também as que se encontram nas duas fronteiras com a Ucrânia, ou seja, entre a Polónia e a Roménia. Os bens recolhidos serão entregues aos refugiados através da cooperação com entidades humanitárias no terreno e outras organizações ucranianas.

A recolha de bens será feita até ao dia 5 de março, em vários locais, de norte a sul de Portugal, junto das entidades parceiras da SIC Esperança, Casas e Escolas do Benfica. A lista dos pontos de recolha pode ser consultada no site da SIC Esperança e Fundação Benfica.

Os bens angariados serão organizados em forma de kits (kit família, kit bebé e kit saúde). A organização dos kits será feita com recurso a voluntários e o apoio da empresa Urbanos, entre os dias 5 e 10 de março, no Estádio da Luz.


A organização humanitária CARE criou um fundo para dar ajuda imediata a quatro milhões de pessoas. Os donativos serão direcionados para água, comida, mantimentos, kits de higiene e dinheiro.

A Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) tem em curso uma resposta "à crise humanitária, aos apelos da Igreja ucraniana e às necessidades que se colocam às comunidades cristãs” daquele país.

A organização decidiu avançar com uma ajuda de emergência de um milhão de euros para apoiar “os 4.879 padres e religiosos e 1.350 religiosas na Ucrânia”, permitindo-lhes “continuar com as suas atividades, nomeadamente ao nível pastoral". Além disso, a fundação pontifícia prestará "ajuda de emergência às quatro dioceses greco-católicos e às duas dioceses latinas na Ucrânia Oriental".

Apoio médico

A Cruz Vermelha está a recolher fundos para as pessoas afetadas pelo conflito, colheitas de sangue, mobilização de voluntários e recursos, bem como atividades de emergência.

A United Help Ukraine recebe e distribui doações, alimentos e suprimentos médicos para os ucranianos que tiveram de deixar as suas casas e se encontram em locais de abrigo. Dirigem ainda a sua ajuda às famílias a de militares vítimas dos combates ou a qualquer pessoa que seja afetada pelo conflito.

Por seu lado, a Sunflower of Peace vira a sua atenção para os médicos e paramédicos, recolhendo fundos para compor e fornecer mochilas de primeiros socorros, tanto a civis como a profissionais de saúde.

Cada mochila pode salvar até 10 vidas, refere a organização, adiantando que, cada mochila inclui ligaduras, medicamentos anti-hemorrágicos e alguns instrumentos médicos.

“Por favor, doe qualquer valor: grande ou pequeno, tudo faz uma enorme diferença”, apela a organização no Facebook.

A Voices of Children, fundação de cariz social que se dedica às consequências psicológicas dos conflitos armados nas crianças, está a oferecer arteterapia, psicólogos móveis e apoio individualizado às crianças traumatizadas.

A International Medical Corps está a recolher fundos para facilitar o acesso da população aos cuidados de saúde, física e mental.

A Project Hope apoia o fornecimento de serviços médicos a países em crise e está a enviar suprimentos médicos para os ucranianos.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    03 mar, 2022 Funchal 19:22
    Na Madeira a Câmara do Funchal, tem um armazém, para receber os produtos para a Ucrânia.

Destaques V+