Tempo
|

2016

O ano em que a música morreu

2016

O ano em que a música morreu

Tempo
|
A+ / A-

30 dez, 2016 - 11:50 • Ricardo Vieira , Carlos Calaveiras

O título deste artigo é mentira: a música não morre e até as mortes o provam (já explicaremos). Mas não haverá muitos anos assim. 2016 levou Bowie, Prince e Cohen.

A+ / A-
2016 pôs-nos várias vezes de luto. Talvez tenha abusado
2016 pôs-nos várias vezes de luto. Talvez tenha abusado

Veja também:


No dia de Natal (cruel data: cantámos e cantaremos "Last Christmas" tantas vezes), dia da morte de George Michael, o Facebook encheu-se de comentários que vociferavam contra 2016, ano maldito, ano bandido. Compreende-se: o ano, que começou sob o signo da morte de David Bowie, viu desaparecerem algumas estrelas de peso.

Em 1971, na cantiga "American Pie", Don McLean falava no "dia em que a música morreu". Referia-se a 3 de Fevereiro de 1959, quando Buddie Holly, Ritchie Valens e The Big Bopper morreram num acidente de avião.

Com as mortes de vultos como Bowie, Prince, Leonard Cohen e George Michael parecia que a canção de McLean podia ser actualizada em 2016. Mas a música não morreu: 2016 confirmou o poder (quase) universal da pop e do rock. Choque, tristeza e celebração das canções dos grandes que morreram convergiram nas redes sociais.

Dois dias antes de morrer, aos 69 anos, uma despedida em forma de álbum, o derradeiro gesto criativo de uma carreira cheia de revoluções. “Blackstar”, o 25.º e último álbum de estúdio de David Bowie, mostrou como o inglês foi sempre inovador até à mais ínfima partícula. Reinventou-se constantemente ao longo da vida.

Eles conheceram Bowie. As histórias dos radialistas
Eles conheceram Bowie. As histórias dos radialistas
Dez canções inesquecíveis de David Bowie
Dez canções inesquecíveis de David Bowie

Durante a carreira, iniciada ainda nos anos 60, deu milhares de concertos e passou vários anos em digressão. Foi Ziggy Stardust, Aladdin Sane, Thin White Duke e Bowie, um homem de muitas faces. Ditou tendências, desbravou caminho na cultura pop.

O mundo ainda estava a refazer-se do desaparecimento de Bowie, quando, poucos meses depois, chegou a notícia de que Prince fora encontrado sem vida na sua casa de Paisley Park, em Minneapolis.

Prince Roger Nelson era o protótipo do artista perfeito. O homem dos sete instrumentos, que cantava e dançava, criou filigrana musical e hinos refinados para as massas, como “Purple Rain”, "1999", "The Most Beautiful Girl in the World" ou "Little Red Corvette".

O rapaz de Minneapolis tinha uma ligação a Portugal. Era amigo da fadista Ana Moura e um dia visitou o estúdio de Rui Veloso, em Sintra.

Prince. O "Peter Pan multifacetado" que marcou a cultura pop do século XX
Prince. O "Peter Pan multifacetado" que marcou a cultura pop do século XX
O dia em que Prince tocou fado com Ana Moura
O dia em que Prince tocou fado com Ana Moura

Leonard Cohen, o poeta com voz de trovão, calou-se para sempre em 2016, poucos dias depois de oferecer ao mundo o álbum “You Want It Darker”.

No ano em que Bob Dylan ganhou o Nobel da Literatura, muitos defenderam que Cohen também merecia. Mas ele, com humildade, considerou que dar o prémio a Dylan era como "dar uma medalha ao monte Evereste por ser a montanha mais alta".

O canadiano escreveu muito muito – poesia, romances e, claro, canções. Viveu numa ilha grega com a sua musa, Marianne, e chegou à música um pouco tarde, aos 32 anos, mas ainda a tempo de se tornar num artista de culto.

Leonard Cohen. Poeta, cantor, monge, sedutor
Leonard Cohen. Poeta, cantor, monge, sedutor
Dez canções para recordar Leonard Cohen
Dez canções para recordar Leonard Cohen

No Dia de Natal e mais de 100 milhões de discos vendidos depois, morreu George Michael, o cantor de “Last Christmas” e de muitos outros sucessos pop. O fundador dos Wham! e estrela pop definidora dos anos 80 tinha 53 anos.

George Michael. Ascensão e queda de uma estrela maior
George Michael. Ascensão e queda de uma estrela maior
10 músicas de George Michael que não vamos esquecer
10 músicas de George Michael que não vamos esquecer

Sem ele a música das últimas décadas teria sido muito diferente. George Martin, o "quinto Beatle", morreu aos 90 anos. Ajudou os quatro de Liverpool a construir alguns dos temas mais emblemáticos. Muitos consideram-no o produtor musical mais bem sucedido de sempre.

O universo R&B e soul também chorou o desaparecimento de nomes grandes, como Natalie Cole, Sharon Jones e Maurice White, dos Earth, Wind & Fire.

Morreu Natalie Cole
Morreu Natalie Cole

Morreu em palco a fazer o que mais gostava. Papa Wemba era um dos artistas mais conhecidos de África e figura da "world music".

No rock, o ano ficou marcado pelos desaparecimentos de artistas como Glenn Frey, dos Eagles, Keith Emerson, dos Emerson Lake & Palmer, Paul Kantner, guitarrista e fundador dos Jefferson Airplane, Nick Menza, ex-baterista dos Megadeth, ou Rick Parfitt, guitarrista dos Status Quo.

2016 também Merle Haggard, lenda da country, e Alan Vega, que no duo Suicide fez punk antes do tempo, para além do tempo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ernesto Tavares
    31 dez, 2016 Alfama 12:32
    Do senhor D. Vicente da Câmara ninguém fala...
  • Mac
    31 dez, 2016 Feira 02:34
    Chris Squire,Michel Delpeche
  • Gonçalo Pena
    30 dez, 2016 Lisboa 20:11
    Acho absolutamente deplorável como se esqueceram de mencionar Pierre Boulez. No universo da música erudita, como compositor e maestro, era a única grande figura ainda viva das vanguardas musicais da segunda metade do século XX. Enfim. O jornalismo entristece-me.

Destaques V+