Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Galamba “nega” ter "procurado omitir informação" ao Parlamento

28 abr, 2023 - 20:07 • Ricardo Vieira

Ministério das Infraestruturas adianta que ex-adjunto foi exonerado porque Frederico Pinheiro negou "repetidamente a existência de notas de reunião que eram solicitadas pela comissão parlamentar de inquérito" à gestão da TAP.

A+ / A-

Veja também:


O ministro das Infraestruturas, João Galamba, “nega categoricamente” que tenha procurado ocultar informação à comissão parlamentar de inquérito (CPI) à gestão da TAP.

“O ministro das Infraestruturas nega categoricamente qualquer acusação de que, por qualquer forma, tenha procurado condicionar ou omitir informação prestada à CPI da TAP”, refere o gabinete do ministro, em comunicado enviado à Renascença.

O Ministério das Infraestruturas sublinha, "pelo contrário, toda a documentação solicitada pela CPI foi integralmente facultada”.

A tutela reage assim ao comunicado de Frederico Pinheiro, ex-adjunto do ministro das Infraestruturas, que acusa João Galamba de querer mentir à comissão parlamentar de inquérito à gestão da TAP.

Em causa está uma reunião com a ex-CEO da TAP Christine Ourmières-Widener para preparar uma audição na Comissão de Economia.

O comunicado do gabinete do ministro João Galamba também esclarece a demissão do adjunto Frederico Pinheiro.

"A propósito da exoneração de Frederico Pinheiro, esclarece-se que a mesma decorre do facto de o então adjunto ter repetidamente negado a existência de notas de reunião que eram solicitadas pela CPI, o que poderia ter levado a uma resposta errada à CPI por parte do Gabinete do ministro das Infraestruturas", refere o Ministério.

Frederico Pinheiro foi exonerado na quarta-feira, por "comportamentos incompatíveis com os deveres e responsabilidades" inerentes ao exercício das funções, confirmou esta sexta-feira à Lusa fonte oficial.

Segundo a mesma resposta, "conforme descrito no despacho a publicar em Diário da República, o adjunto em causa adotou "comportamentos incompatíveis com os deveres e responsabilidades inerentes ao exercício das suas funções num gabinete ministerial".

O Governo apresentou entretanto uma queixa-crime contra Frederico Pinheiro, avançou esta sexta-feira a CNN Portugal. Frederico Pinheiro levou dois computadores do Estado para casa, um deles com informação classificada.

A Polícia Judiciária (PJ) realizou buscas, resgatou os computadores e já os devolveu ao Ministério das Infraestruturas.

De acordo com o jornal "Público", Frederico Pinheiro decidiu levar o computador onde tinha os documentos referentes à reunião, com o para fazer uma cópia para se defender na da comissão parlamentar de inquérito.

A saída do adjunto exonerado não foi pacífica. A chefe de gabinete de João Galamba e uma funcionária tentaram impedi-lo de sair das instalações com os computadores, e foram registados confrontos físicos.

O Ministério chamou a polícia para reaver o computador e apresentou uma queixa-crime contra o ex-assessor.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • EU
    28 abr, 2023 PORTUGAL 22:46
    Se entendo bem, o ex adjunto levou os computadores do MINISTÉRIO para um lado qualquer. No local donde retirou os computadores, dizem que houve agressões. A PJ é chamada, recolheu os computadores e deixou o adjunto em sossego. Hoje ao início da NOITE o Senhor Ministro envia um COMUNICADO e não menciona as AGRESSÕES, mas sim a falta das NOTAS. Então as AGRESSÕES acontecem no MINISTÉRIO e o Ministro não as MENCIONA? Pergunto, o Ministério não tem CÂMARAS como a sala de estar na Assembleia da República? As Pessoas agredidas receberam cuidados médicos? Tratando-se de um ALTO QUADRO do Estado, foi interrogado pelas AGRESSÕES? Se não HOUVE agressões, a reportagem da TELEVISÃO não as devia mencionar, pois as mesmas teriam forçosamente de fazer parte do comunicado. A TEIA está mal tecida e com mais umas TRAPALHADAS no meio. Senhores SOCIALISTAS, políticamente SÉRIOS, não deixem que estes Senhores Governantes nos governem em modo pior que o merceeiro. Antigamente era nas mercearias que os VAIDOSOS se exibiam. Bom feriado.
  • Manuel Ferraz
    28 abr, 2023 Vila Nova de Gaia 19:35
    Isto é uma vergonha que nunca mais termina. E pergunto eu o que sabe este ministro de gerir empresas. Nada. Por aquilo que vamos ouvindo ainda por cima mentem. Será que o pobo português continua calado? E o presidente não demite o governo porquê?

Destaques V+