A+ / A-

BE diz que se Galamba tentou mentir à comissão de inquérito não pode continuar ministro

28 abr, 2023 - 19:13 • Lusa

Bloquistas exigem explicações do primeiro-ministro, António Costa, "em nome da democracia e da verdade".

A+ / A-

O líder parlamentar do Bloco de Esquerda (BE) defende que, se João Galamba "deliberadamente tentou mentir a uma comissão de inquérito, não pode continuar como ministro", exigindo explicações também do primeiro-ministro, António Costa, "em nome da democracia e da verdade".

"Se há um ministro [das Infraestruturas, João Galamba], que deliberadamente tentou mentir a uma comissão de inquérito não pode continuar com ministro. Se há acusações que o ministro quis faltar à verdade a uma comissão de inquérito, essas acusações têm que ter uma resposta clara e inequívoca por parte do Governo", disse aos jornalistas Pedro Filipe Soares.

De acordo com o líder parlamentar bloquista, "o senhor ministro, o senhor primeiro-ministro são chamados a dar respostas em nome da democracia e em nome da verdade a este parlamento".

Em causa um conjunto de notícias que, segundo Pedro Filipe Soares, "demonstrou que existem acusações às quais o parlamento não pode ficar indiferente".

"Existe um computador que aparentemente terá informação relevante até para a comissão de inquérito para avaliar algumas das informações dadas à comissão de inquérito para avaliar se são verdadeiras ou se são falsas. Existem acusações dentro de um ministério sobre um ministro poder estar a faltar à verdade à comissão parlamentar de inquérito e da parte do Bloco de Esquerda é urgente termos respostas a todas estas questões", pediu.

Se o BE já defendia que "João Galamba devia dar explicações sobre o estado atual da TAP", agora tem também que "dar explicações sobre o Ministério das Infraestruturas que lidera" porque "todo este caso é demasiado grave para se deixar que passe como a espuma dos dias".

"O governo não pode fugir às suas responsabilidades, o ministro não pode ter uma intenção de mentir numa comissão parlamentar de inquérito", enfatizou.

O PSD considerou hoje que o ministro das Infraestruturas não tem condições para continuar em funções caso se confirme que quis omitir à comissão parlamentar de inquérito à TAP informação sobre uma reunião com a anterior presidente-executiva da companhia.

O adjunto do Gabinete do ministro das Infraestruturas, Frederico Pinheiro, foi exonerado na quarta-feira, por "comportamentos incompatíveis com os deveres e responsabilidades" inerentes ao exercício das funções, confirmou hoje à Lusa fonte oficial.

Numa nota divulgada esta tarde a alguns órgãos de comunicação, Frederico Pinheiro refere ter tirado notas da reunião entre o PS, assessores do Governo e a anterior presidente-executiva da TAP, um dia antes de ser ouvida no parlamento em janeiro, e que "ficou indicado que, em caso de requerimento pela Comissão Parlamentar de Inquérito, as notas não seriam partilhadas por serem um documento informal".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+