Tempo
|
A+ / A-

Guerra na Ucrânia

​Chegou da Ucrânia com o filho bebé, mas deixou o marido e quer voltar

15 mar, 2022 - 16:11 • Henrique Cunha

Alina escolheu fugir para o Porto pela internet. Não conhece ninguém em Portugal, sente-se bem acolhida, mas o pensamento está no regresso.

A+ / A-

Veja também:


“Quero voltar ao meu trabalho, voltar a nossa casa e dormir nas nossas camas”. Alina que ainda agora chegou a Portugal já sonha com o seu regresso a Kiev. Escolheu o Porto e o Seminário do Bom Pastor porque aparentava ser “um lugar calmo”. Até chegar a Ermesinde, Alina, o seu filho Danyil prestes a fazer um ano e a sua mãe Larysa sujeitaram-se a vários dias de viagem. Saíram de carro de Kiev a 6 de março, mas só deixaram território ucraniano no dia 10. Seguiu-se um percurso de autocarro até à Eslováquia, de onde seguiram de comboio para Budapeste, onde compraram bilhete de avião até ao Porto.

Já instalada no seminário, no espaço que até há bem pouco tempo serviu de retaguarda a doentes Covid, Alina confessa que não sabe como está a sua casa e revela que vai mantendo contacto com o seu marido. Com o irrequieto Danyil sempre por perto, esta jovem de 32 anos não quer falar muito do cenário de guerra, mas sempre vai adiantando que “não tinha outra escolha” e que a saída de Kiev “era inevitável”.

“Foi uma decisão muito difícil porque muitos dos nossos amigos e outras pessoas não têm possibilidade de viajar, mas não tínhamos muita escolha”, sublinha.

Antes de iniciar viagem, Alina já sabia onde se queria instalar. Explica que foram procurando “a “informação pela internet”, que levou “à decisão de vir para Portugal porque muitas cidades na Europa já acolheram muitos cidadãos ucranianos e não terão muita habitação disponível, mas no Porto eu li que ainda não tinham vindo muitas pessoas e viemos para cá”.

“E agora vivemos aqui. É um lugar muito bonito com pessoas amigas. Todas as pessoas com quem estivemos mostraram ser muitas amigas”, sublinha.

A primeira impressão da sua nova residência foi a melhor, levando a jovem mãe a pedir autorização para colocar nas suas redes sociais fotografias e comentários abonatórios sobre a sua nova morada. Depois de uma decisão difícil dado que não conhecia ninguém em Portugal, nem tinha conhecimento do país, esta jovem bancária declara-se feliz pela sua opção.

Sempre atenta ao telemóvel, sempre à espera de notícias da guerra, Alina volta a aconchegar Danyil, ao mesmo tempo que confessa que “tudo é muito stressante, porque os nossos maridos continuam em casa e nós estamos aqui”, mas “temos esperança que tudo fique bem rapidamente". E numa expressão que encerra por um lado um sentimento de esperança, e que por outro pode ser interpretado como um profundo desejo, a jovem ucraniana volta a repetir: “Queremos voltar, quero voltar ao meu trabalho, queremos voltar à nossa casa, e dormir nas nossas camas”.

Trabalho em rede para ajustar às contingências da guerra

O Seminário do Bom Pastor está preparado para receber até 75 pessoas, num trabalho coordenado pela Obra Diocesana de Promoção Social. O seu presidente, o Padre Manuel Brito garante que o pavilhão 4 está “devidamente preparado” e promete ajustar a estratégia de acolhimento àquilo que a realidade da guerra vier a definir.

O sacerdote garante que “tudo depende de como o conflito evoluir”, dado que “nós não temos propriamente um modelo definido, e iremos ajustá-lo às pessoas que nos vão chegando”. A ideia é “acolher, proteger e depois naturalmente articular todo este nosso trabalho com os organismos públicos e também com os organismos da própria Diocese, a Cáritas e o secretariado das migrações. “Iremos fazer este trabalho em rede”, reforça.

O espaço está preparado para, se necessário acolher famílias mais numerosas e “tem reservado um cantinho para as crianças”, com “tudo o que diz respeito ao acolhimento de crianças, sejam jogos pedagógicos, brinquedos e também animadoras preparadas para acompanhar as crianças”, revela o sacerdote.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+