Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

​Ucrânia. Fundação AIS apoia com 1 milhão de euros trabalho da Igreja

25 fev, 2022 - 16:02 • Ana Lisboa

O presidente executivo da fundação pontifícia alega que mais do que nunca é importante assegurar a presença de padres e religiosos junto do povo ucraniano.

A+ / A-

Em resposta "à crise humanitária, aos apelos da Igreja ucraniana e às necessidades que se colocam às comunidades cristãs deste país", a Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS) decidiu avançar com uma ajuda de emergência de um milhão de euros para apoiar o trabalho da Igreja.

Em comunicado, Thomas Heine-Geldern informa que a AIS "compromete-se a apoiar com uma ajuda de emergência os 4.879 padres e religiosos e 1.350 religiosas na Ucrânia, para lhes permitir continuar com as suas atividades, nomeadamente ao nível pastoral".

Além disso, a fundação pontifícia prestará "ajuda de emergência às quatro dioceses greco-católicos e às duas dioceses latinas na Ucrânia Oriental".

Este responsável admite que "especialmente agora a AIS tem de assegurar a presença de sacerdotes, religiosas e religiosos junto do seu povo, nas paróquias, com os refugiados, nos orfanatos e lares para mães solteiras e para os idosos que enfrentarão o desafio de sobreviver num clima de aumento brutal de custos como consequência da guerra".

Heine-Geldern reconhece que "este conflito é também uma guerra psicológica. As pessoas precisam de consolo, força e apoio".

O Presidente da AIS apelou ainda às orações pelo povo da Ucrânia que, "através da intercessão de Nossa Senhora da Paz, possa ser poupado à dor de mais violência e perda de vidas".

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+