A+ / A-

"A criança estar tão bem foi um num milhão". O relato de um médico português na Turquia

12 fev, 2023 - 11:52 • Isabel Pacheco , Pedro Valente Lima

António Gandra d'Almeida é um dos 53 operacionais portugueses a apoiar as operações de busca e salvamento no país. O médico apoiou o resgate de criança de dez anos este sábado.

A+ / A-

VEJA TAMBÉM:


Este sábado, a missão portuguesa enviada à Turquia resgatou uma criança de dez anos com vida, seis dias depois do sismo que abalou a região e que já fez mais de 28 mil mortos.

À Renascença, António Gandra d'Almeida, um dos médicos portugueses no terreno, salienta que "o caso de ontem foi um milagre". Num momento em que a equipa não tem encontrado muita gente com vida, "a criança estar tão bem foi um num milhão".

O médico do INEM reconhece que mesmo quem é resgatado com vida não é garantido que sobreviva, dependendo "sempre das lesões, dos que estiveram debaixo de escombros, quanto tempo, se têm doenças associadas, a idade". "Varia muito de caso para caso."

Quanto ao rapaz resgatado, António d'Almeida refere que "estava bastante bem" e que "não tinha nenhuma lesão que pusesse em risco a sua vida".

"Não tinha nenhuma hemorragia visível, estava bem disposto e depois já sorria. Acredito que vá correr bem."

"Uma verdadeira catástrofe"

Na quarta-feira, quando a missão portuguesa chegou à província de Hatay, na Turquia, o médico salienta um cenário de "catástrofe", com "prédios completamente destruídos" e "os que ainda se mantêm mais ou menos de pé estão inclinados, fragilizados, sem eletricidade ou água corrente".

"As pessoas estão a viver em tendas. Uma verdadeira catástrofe", lamenta.

António d'Almeida fala de uma população "desesperada" com "os familiares que perderam, a vida deles que ficou completamente destruída". "Ficaram sem as suas casas, muitos também perderam o seu emprego", conta.

Afinal, "quase toda a gente perdeu um familiar ou um amigo". O médico acrescenta ainda que muitos dos sobreviventes "estão a ajudar nas buscas". "Quando identificam alguém, ou existem suspeitas de estar alguém vivo, chamam-nos para ajudar. Mas é um cenário triste e desolador."

António Gandra d'Almeida adianta que vai permanecer na Turquia enquanto puder ser útil nas operações de busca e salvamento. O médico é um dos 53 elementos que integra a Força Operacional Conjunta portuguesa na Turquia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+