Tempo
|
A+ / A-

Baixar o aquecimento, andar a pé, conduzir mais devagar. Conselhos de Bruxelas para ajudar a Ucrânia

22 abr, 2022 - 10:44 • Cristina Nascimento

Segundo as contas da Comissão Europeia, cada agregado familiar pode poupar, em média, 500 euros por ano, se for cumprido o plano.

A+ / A-

Veja também:


A União Europeia elaborou, em conjunto com a Agência Internacional de Energia, um plano para ajudar os europeus a reduzir a dependência energética da Rússia e assim reforçar o apoio à Ucrânia.

São nove pontos dirigidos aos cidadãos que permitirão, assegura Bruxelas, também poupanças na carteira de cada um. Segundo as contas da Comissão Europeia, cada agregado familiar pode poupar, em média, 500 euros por ano.



Em comunicado, a Agência Internacional de Energia lembra que pessoas por toda a Europa ajudaram a Ucrânia com donativos ou ajudando de forma direta os refugiados e “muitos europeus gostariam de fazer mais”.

“A maioria dos agregados familiares estão também a suportar custos de energia mais elevados devido à crise energética intensificada devido à guerra. Usar menos energia é, não só uma forma imediata de os europeus reduzirem as suas contas, como também uma forma de apoiar a Ucrânia, reduzindo a necessidades de petróleo e gás russo”, acrescenta a nota.

Os nove conselhos ao alcance dos consumidores europeus são:

  1. Diminuir o aquecimento no inverno e usar menos ar condicionado no verão.
  2. Ajustar as definições da caldeira
  3. Trabalhar a partir de casa
  4. Usar o carro de forma mais económica
  5. Reduzir a velocidade nas autoestradas com o ar condicionado do carro desligado
  6. Deixar o carro em casa aos domingos, nas cidades grandes
  7. Andar a pé ou de bicicletas em vez de guiar para fazer pequenos percursos
  8. Usar transportes públicos
  9. Usar o comboio em vez de voar
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+