Tempo
|
A+ / A-

Renascença na Ucrânia

Impasse em Mariupol. Batalhão Azov recusa entregar-se às forças russas

20 abr, 2022 - 15:33 • José Pedro Frazão , enviado especial da Renascença à Ucrânia

Enviado especial da Renascença á Ucrânia, José Pedro Frazão, faz um ponto da situação do cerco à fábrica de aço de Azovstal, onde estão soldados ucranianos e centenas de civis.

A+ / A-
José Pedro Frazão na Ucrânia explica impasse em Mariupol e Azovstal
José Pedro Frazão na Ucrânia explica impasse em Mariupol e Azovstal

O complexo industrial de Azovstal, localizado em Mariupol, tem vindo a revelar-se um ponto nevrálgico da guerra na Ucrânia. O relato é feito a partir da Ucrânia pelo enviado especial da Renascença, José Pedro Frazão.

O complexo é considerado uma cidade dentro da cidade e com condições para a sobrevivência de elevado número de pessoas. É, aliás, nesse complexo onde já estão refugiadas crianças, mulheres e idosos, bem como militares ucranianos que estão a fazer a defesa do local.

A cidade portuária de Mariupol, onde, antes do início do conflito armado, vivam cerca de 400 mil pessoas, foi um dos primeiros alvos dos militares russos, a 25 de fevereiro de 2022. Desde então, a cidade tem estado cercada, com a exceção da abertura de alguns corredores humanitários para a saída de civis.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Desabafo Assim
    23 abr, 2022 Porto 15:02
    Esses militares descrito aqui sem referência são especiais, desde o início da guerra que as forças russas os procuram, até pintaram nos veículos um memorando não fosse o caso de se esquecem.
  • Desabafo Assim
    23 abr, 2022 Porto 14:39
    Horrores da guerra, já estão presos, sabem o tempo que lhes resta, só os reféns lhe garantem uma prisão tão larga. Como perdoar as atrocidades aos jovens soldados russos? Melhor seria libertarem os reféns...

Destaques V+