Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

"Armas, armas e armas." Ucrânia pede à NATO mais armamento para salvar vidas

07 abr, 2022 - 08:35 • João Cunha

Ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano pede aos aliados que "ponham de lado as suas hesitações e relutâncias".

A+ / A-

Veja também:


O ministro ucraniano dos Negócios Estrangeiros vai pedir aos Ministros dos Negócios Estrangeiro da NATO, esta quinta-feira, mais armamento para resistir às tropas russas.

À chegada para o segundo dia de cimeira no quartel-general da Aliança Atlântica, em Bruxelas, Dmytro Kuleba revelou que a agenda para este encontro é simples: "Há apenas três pontos: armas, armas e armas".

"Quantas mais armas tivermos e quanto mais cedo chegarem à Ucrânia, mais vidas serão salvas, menos cidades e vilas serão destruídas, e não haverá mais Buchas. Esta é a minha mensagem para os aliados, a quem peço que ponham de lado as suas hesitações e relutâncias e providenciem à Ucrânia tudo o que necessita", afirmou.

Portugal está representado, nesta cimeira, pelo novo chefe da diplomacia, João Gomes Cravinho.

O secretário-geral da NATO admitiu na quarta-feira que a Ucrânia precisa urgentemente de mais apoio militar e disse esperar que os Aliados, reunidos em Bruxelas ao nível de chefes da diplomacia, concordem em fornecer “muitos tipos diferentes de equipamento”.

“A Ucrânia tem uma necessidade urgente de apoio militar, e essa é a razão pela qual é tão importante que os Aliados concordem em apoiar ainda mais a Ucrânia com muitos tipos diferentes de equipamento, tanto equipamento mais pesado, como também sistemas de armas ligeiros”, disse Jens Stoltenberg.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.563 civis e feriu 2.213, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.

A guerra já causou um número indeterminado de baixas militares e a fuga de mais de 11 milhões de pessoas, das quais 4,2 milhões para os países vizinhos.

Esta é a pior crise de refugiados na Europa desde a II Guerra Mundial (1939-1945) e as Nações Unidas calculam que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    07 abr, 2022 Lisboa 13:55
    Deem-lho, deem-lho, deem-lho. Já se viu que a Rússia se borrifa para Moral, Ética, Legalidade e tudo o resto dissolve em tiradas de retórica de Realidade Alternativa. Só a tiro, a Rússia pode ser detida. E neste momento, os únicos que estão a disparar sobre eles, são os Ucranianos. Deem a Zelensky tudo o que ele pedir: ele e o Povo dele, estão a combater, para que o Ocidente não tenha de o vir a fazer.

Destaques V+