Tempo
|
A+ / A-

"Atrocidades" na Ucrânia levam Bruxelas a avançar com mais sanções à Rússia

04 abr, 2022 - 11:43 • Lusa com Redação

O chefe da diplomacia europeia escreve que "os massacres cometidos em Bucha e outras cidades ucranianas serão inscritos na lista de atrocidades cometidas em solo europeu", acrescentado que as imagens dos civis mortos e da destruição "mostram a verdadeira face da brutal guerra de agressão russa".

A+ / A-

Veja também:


A União Europeia vai começar a preparar, com urgência, novas sanções à Rússia, anunciou esta segunda-feira o chefe da diplomacia europeia, num comunicado em que condena "as atrocidades" cometidas pelas tropas russas na Ucrânia.

"As autoridades russas são responsáveis por estas atrocidades cometidas enquanto detinham controlo efetivo da área", lê-se na nota de Josep Borrell.

"A UE continua a apoiar firmemente a Ucrânia e começará, com caráter de urgência, a preparar novas sanções à Rússia", escreve ainda o Alto Representante para a Política Externa do bloco.

Bruxelas, acrescentou, "condena com a maior veemência as atrocidades que terão sido cometidas pelas forças armadas russas em várias cidades ucranianas que foram agora libertadas".

Borrell referiu ainda que "os massacres cometidos em Bucha e outras cidades ucranianas serão inscritos na lista de atrocidades cometidas em solo europeu", acrescentado que as imagens dos civis mortos e da destruição "mostram a verdadeira face da brutal guerra de agressão russa".

A organização dos direitos humanos Human Rights Watch denunciou, no domingo, que nas zonas da Ucrânia sob controlo russo foram feitas "execuções sumárias", entre outros "abusos graves" que podem configurar crimes de guerra.

A retirada das tropas russas do norte de Kiev permitiu ver indícios de alegadas execuções sumárias de várias centenas de civis no subúrbio de Bucha e noutras áreas.

A Ucrânia acusou a Rússia de genocídio, alegando ter encontrado os corpos de 410 civis na região de Kiev, atualmente sob controlo ucraniano.

Na cidade de Bucha, a noroeste da capital ucraniana, cerca de 300 pessoas foram enterradas em valas comuns, de acordo com as autoridades ucranianas.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.417 civis e feriu 2.038, entre os quais 171 menores, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas ser muito maior.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+