Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Guerra na Ucrânia

Lituânia deixou de importar gás russo

03 abr, 2022 - 16:49 • Lusa

País exorta União Europeia a fazer o mesmo.

A+ / A-

Veja também:


A Lituânia deixou de importar gás da Rússia, tornando-se no primeiro país da União Europeia (UE) a deixar de depender da energia russa e exortou os restantes países a fazer o mesmo, foi hoje noticiado pela agência Associated Press.

"A Lituânia abandonou completamente o gás russo, em resposta à chantagem energética da Rússia na Europa e à guerra na Ucrânia", disse o ministro lituano da energia no sábado, acrescentando que a medida tem efeito ao início de abril.

O governante salientou que a Lituânia foi o primeiro dos 27 países da UE a prescindir do gás russo, graças a uma política energética coerente seguida nos últimos anos.

O presidente lituano anunciou a medida nas suas redes sociais e exortou os restantes países da UE a fazer o mesmo.

Até 2015, quase 100% dos gás consumido na Lituânia era importado da Rússia, mas a situação mudou drasticamente nos últimos anos, após o país ter construído em 2014 um terminal de importação de gás natural off-shore na cidade portuária de Klaipeda.

Segundo o ministro da Energia lituano, a partir de agora, todo o gás necessário para o consumo doméstico da Lituânia será importado atravês do terminal de Klaipeda.

No último ano, cerca de 26% do abastecimento de gás na Lituânia era proveniente da Rússia, 62% do terminal de gás natural de Klaipeda e 12% vinha de um reservatório da vizinha Letónia.

A Letónia e a Estónia também dependiam maioritariamente do gás russo, mas o operador do reservatório de gás natural da Letónia disse que nenhuma das três repúblicas bálticas iria importar gás russo a partir de 02 de abril.

A Rússia lançou em 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que matou pelo menos 1.325 civis, incluindo 120 crianças, e feriu 2.017, entre os quais 168 menores, segundo os mais recentes dados da ONU, que alerta para a probabilidade de o número real de vítimas civis ser muito maior.

A guerra provocou a fuga de mais de 10 milhões de pessoas, incluindo mais de 4,1 milhões de refugiados em países vizinhos e cerca de 6,5 milhões de deslocados internos.

A ONU estima que cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e políticas a Moscovo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    03 abr, 2022 Lisboa 16:07
    Os obreiros da dependência energética da UE e do Ocidente, do gás e petróleo Russos, deviam no mínimo, ser denunciados publicamente. Refiro-me a Schoreders, Merkels, Sarkhozys e outros, que apesar de múltiplos avisos de vários quadrantes, preferiram colocar os respetivos países e por arrastamento a UE, nas mãos da Rússia em termos energéticos só porque de lá os preços eram mais baixos, e nem pensaram num "plano B" caso as coisas dessem para o torto.

Destaques V+