Tempo
|
A+ / A-

Guerra na Ucrânia

Zelensky não vai insistir na adesão à NATO

08 mar, 2022 - 18:05 • Lusa

"Quanto à NATO, moderei a minha posição sobre esta questão há algum tempo, quando percebi que a NATO não estava pronta para aceitar a Ucrânia", afirma o Presidente ucraniano.

A+ / A-

Veja também:


O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse, durante uma entrevista televisiva na segunda-feira, que não vai insistir na adesão da Ucrânia à NATO, uma das questões que motivaram oficialmente a invasão russa.

Num outro sinal de abertura a negociações com Moscovo, durante uma entrevista ao canal televisivo norte-americano ABC, Zelensky disse estar disponível para um "compromisso" sobre o estatuto dos territórios separatistas no leste da Ucrânia, cuja independência o Presidente russo, Vladimir Putin, reconheceu unilateralmente, pouco antes de lançar o ataque militar.

"Quanto à NATO, moderei a minha posição sobre esta questão há algum tempo, quando percebi que a NATO não estava pronta para aceitar a Ucrânia", disse o líder ucraniano na entrevista transmitida na noite de segunda-feira.

"A Aliança tem medo de tudo o que seja controverso e de um confronto com a Rússia", explicou Zelensky, acrescentando que não quer ser o Presidente de um "país que implora de joelhos" por uma adesão à NATO.

Mykyta fugiu de Kharkiv quando os russos chegaram. “Tenho medo pelas pessoas”
Mykyta fugiu de Kharkiv quando os russos chegaram. “Tenho medo pelas pessoas”

Por várias vezes, Putin disse que a adesão da Ucrânia à NATO constituía uma ameaça para os interesses de Moscovo, tendo exigido ao Ocidente que não expandisse a sua zona de influência militar junto das suas fronteiras.

O Presidente russo também reconheceu as duas autoproclamadas repúblicas separatistas pró-Rússia no leste da Ucrânia, exigindo agora que Kiev também as reconheça.

Questionado sobre esta exigência russa, durante a mesma entrevista televisiva, Zelensky disse estar aberto ao diálogo.

"Estou a falar de garantias de segurança. Penso que quando se trata destes territórios ocupados temporariamente (...), que só foram reconhecidos pela Rússia, (...) podemos discutir e chegar a um compromisso sobre o futuro destes territórios", explicou o líder ucraniano.

Renascença na Ucrânia. Milhares de pessoas aguardam em Lviv por uma viagem para longe da guerra
Renascença na Ucrânia. Milhares de pessoas aguardam em Lviv por uma viagem para longe da guerra

"O importante para mim é como vão viver as pessoas que estão nestes territórios e que querem fazer parte da Ucrânia", acrescentou Zelensky, considerando que a questão é "complexa".

E concluiu: "Esse é outro ultimato e nós rejeitamos ultimatos. O que é necessário é que o Presidente Putin comece a falar, inicie um diálogo, em vez de viver numa bolha".

A Rússia lançou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia que, segundo os mais recentes dados da ONU, fez pelo menos 406 mortos e mais de 800 feridos entre a população civil e causou a fuga de mais de dois milhões de pessoas para os países vizinhos.

A invasão russa foi condenada pela generalidade da comunidade internacional que está a responder com o envio de armamento para a Ucrânia e o reforço de sanções económicas e financeiras a Moscovo.

Vladimir Putin justificou a "operação militar especial" na Ucrânia com a necessidade de desmilitarizar o país vizinho, afirmando ser a única maneira de a Rússia se defender e garantindo que a ofensiva durará o tempo necessário.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • A seguir a Ucrania
    08 mar, 2022 Será a Moldavia 19:23
    O falhanço do apoio da Nato e do Ocidente para com a Ucrânia, deixada sozinha contra a Rússia, está a fazer com que esta esteja perdida para o lado Ocidental. De facto, lutar e ver o País arrasado, para quê? Para aderir a uma tal de NATO que se borra toda mal o Putin fala em "nuclear"? A seguir à Ucrânia, será a Moldávia. E a NATO a arranjar desculpas para não combater.

Destaques V+