A+ / A-

Rússia

Moscovo exige que sanções ocidentais não afetem relações com Teerão

05 mar, 2022 - 17:37 • Lusa

O Irão e a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) concordaram sobre um mecanismo para resolver questões pendentes sobre o tratado nuclear iraniano de 2015, mas as exigências feitas, este sábado, pela Rússia podem atrasar as negociações que decorrem em Viena para salvar o pacto que os Estados Unidos abandonaram unilateralmente em 2018.

A+ / A-

A Rússia exigiu, este sábado, que as sanções ocidentais por causa da invasão da Ucrânia não afetem as relações comerciais entre Moscovo e Teerão, o que pode dificultar as negociações para salvar o tratado nuclear iraniano.

O Irão e a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) concordaram sobre um mecanismo para resolver questões pendentes sobre o tratado nuclear iraniano de 2015, mas as exigências feitas, este sábado, pela Rússia podem atrasar as negociações que decorrem em Viena para salvar o pacto que os Estados Unidos abandonaram unilateralmente em 2018.

Enquanto se multiplicavam declarações otimistas sobre um acordo iminente entre os negociadores em Viena para salvar o tratado nuclear iraniano, a Rússia, atingida por sanções ocidentais após a invasão da Ucrânia, interveio para exigir garantias dos EUA de que essas sanções não afetarão as relações com o Irão.

De acordo com um dos pontos principais do acordo de 2015, destinado a garantir o caráter estritamente pacífico das atividades nucleares iranianas, o Irão transferiu toneladas de urânio enriquecido para a Rússia.

“Pedimos garantias escritas aos nossos colegas americanos (…) de que as sanções não afetarão o nosso direito de livre e plena cooperação comercial, económica, de investimento e técnico-militar com o Irão”, disse o chefe da diplomacia russa, Sergei Lavrov, este sábado, referindo-se às sanções dos EUA, como retaliação pela invasão russa da Ucrânia.

O tratado de 2015 — que foi assinado pelo Irão, por um lado, e pelos Estados Unidos, China, França, Reino Unido, Rússia e Alemanha do outro – procurava impedir Teerão de conseguir produzir armas atómicas.

O pacto permitiu o levantamento das sanções económicas internacionais contra o Irão, em troca de limites ao seu programa nuclear, mas os Estados Unidos retiraram-se do tratado, em 2018, restabelecendo as sanções contra Teerão.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    06 mar, 2022 Lisboa 11:24
    E o Ocidente exige um cessar-fogo geral e imediato, a retirada total de todas as forças Russas de território Ucraniano incluindo os estados-fantoches que Putin declarou "independentes", pagamento de indemnizações de Guerra à Ucrânia num valor nunca inferior a 500 000 Milhões de Euros, e o estabelecimento de uma zona desmilitarizada de 50Km para cada lado na zona de fronteira entre a Russia e a Ucrânia.

Destaques V+