Tempo
|
A+ / A-

Erdogan vai pedir a Putin que acabe com guerra

05 mar, 2022 - 12:58 • Lusa

Recep Tayyip Erdogan vai, também, oferecer-se para acolher negociações entre Rússia e Ucrânia.

A+ / A-

Veja também:


O Presidente da Turquia vai pedir ao seu homólogo russo, Vladimir Putin, no domingo, por telefone, que "ponha fim imediato à guerra". Recep Tayyip Erdogan vai, também, oferecer-se para acolher negociações entre Rússia e Ucrânia, anunciou o seu porta-voz, este sábado.

“O Presidente [Erdogan] vai transmitir a mensagem que temos repetido desde o início: é preciso acabar com esta guerra imediatamente, dar uma hipótese ao cessar-fogo e a negociações, estabelecer um corredor humanitário e realizar as evacuações”, disse o porta-voz da presidência turca, Ibrahim Kalin, numa entrevista ao canal privado turco NTV.

Erdogan também vai apelar a que se iniciem conversações “ao nível dos dirigentes” entre a Rússia e a Ucrânia, que “podem acontecer na Turquia”.

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Turquia, Mevlut Cavusoglu, expressou, na sexta-feira, a esperança de poder reunir os seus homólogos russos e ucranianos no Fórum da Diplomacia, que irá decorrer entre 11 e 13 de março em Antália, no sul da Turquia.

De acordo com a imprensa turca, o convite de Cavusoglu foi recebido positivamente pelo embaixador russo na ONU, Gennady Gatilov, que descreveu uma possível reunião dos dois ministros em Antália como uma “boa ideia”.

Segundo Cavusoglu, o chefe da diplomacia russa, Sergei Lavrov, já confirmou a sua participação no Fórum.

“Acreditamos que estas reuniões terão um impacto positivo. Em particular, uma reunião ao nível dos dirigentes poderá evitar que a guerra provoque ainda maior destruição”, afirmou Kalin, acrescentando que a Turquia está pronta para receber um encontro deste nível.

Membro da NATO e aliado da Ucrânia, a Turquia também tem laços estreitos com a Rússia.

De acordo com Kalin, a Rússia está a estabelecer condições “irrealistas” para acabar com o conflito, mas “existem negociações e diplomacia para isso".

"Temos boas relações tanto com a Ucrânia como com a Rússia e não podemos renunciar a nenhum dos países”, concluiu.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+