A+ / A-

Há um antes e um depois do restauro da Torre dos Clérigos

01 mar, 2019 - 11:11 • Henrique Cunha

Com mais de um milhão de visitas anual, os Clérigos já "devolveram mais de um milhão de euros" à sociedade.
A+ / A-

Leia também:


A dinamização da Irmandade dos Clérigos, marcada pelo restauro da Torre, é uma das referências mais evidentes da acção do novo bispo auxiliar de Lisboa, D. Américo Aguiar, enquanto padre da diocese do Porto.

Com uma média anual superior a um milhão e trezentos mil visitantes, a Torre dos Clérigos ajudou a fortalecer o comércio da zona. Lojistas e comerciantes dizem que "há uma história antes e outra depois do restauro", promovido pela Irmandade e dirigido pelo arquiteto João Carlos Santos.

Antes das obras de requalificação, a Torre e a Igreja não tinham mais de cem mil visitantes por ano, mas, a partir de 12 de dezembro de 2014, data da reabertura, o número de visita multiplicou-se por mais de uma dezena. De acordo com dados da Irmandade, a partir de 2015, o registo médio de visitantes ultrapassa os 1,3 milhões.

À Renascença, os comerciantes locais reconhecem "o impacto muito grande" da obra. José Maria, com estabelecimento na rua dos Clérigos há 30 anos, revela que a sua faturação "tem vindo a ver crescer" graças à "nova centralidade e dinamismo que a Torre e a Livraria Lello" proporcionam.

Também Anabela Ferreira não tem dúvidas de que "os Clérigos são uma referência que chama muito o turismo".

A procura é tanta que até provoca alguns equívocos. Fátima Faria trabalha numa pequena loja de "souvenirs" e, não raras vezes, vê entrar no seu estabelecimento turistas que "vêm aqui à procura de bilhetes para a Torre".

Para além do incremento de visitas com "evidente vantagem para o comércio", os "novos Clérigos" também se revelaram um criador de emprego. "Atualmente, trabalharam aqui, diariamente, 20 pessoas", revela o diretor-executivo da Irmandade, António Tavares, fazendo questão de recordar que "a grande maioria dos colaboradores é oriunda da Escola de Turismo e Hotelaria do Porto".

"Em dezembro de 2014, houve uma reabilitação deste património que permitiu devolver à cidade a Torre, a sua Igreja, mas também um complexo que hoje é o Museu dos Clérigos, que abriga e acolhe diversas exposições, e em particular a exposição permanente, de uma coleção particular de Cristos", conta Tavares.

"Antigamente, isto era um espaço fechado, que fazia parte de um hospital e hoje é um centro museológico por onde passam anualmente mais de um milhão de visitantes", completa.

"Os novos Clérigos" que mereceram reconhecimento internacional em 2017, com o prémio "Europa Nostra", na categoria de conservação pelo projeto de “restauro abrangente”, permitiram à Irmandadem através do aumento exponencial de visitas, acudir com mais cuidado à sua vocação solidária. António Tavares revela que "desde 2015 até final de 2018, foi possível devolver à sociedade civil cerca de um milhão de euros de apoios, a nível de donativo para investigação médica, para a compra de material hospitalar e também para os próprios centros hospitalares".

O diretor-executivo diz que "o Hospital de Santos António, o IPO e o IPATIMUP e vários outros centros hospitalares" foram beneficiários de contribuições importantes.

A Irmandade pôde também dizer presente nos momentos de maior tragédia: "A Irmandade decidiu contribuir com donativos para as famílias vitimas dos incêndios de Pedrógão e da Madeira."

A propósito destes gestos solidários, o diretor-executivo dos Clérigos recorda uma frase muitas vezes repetida pelo padre Américo Aguiar: “Se nós não entregássemos estes donativos às instituições, os Clérigos ficariam mais ricos, mas nós não seriamos tão felizes."

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Antero Braga
    06 mar, 2019 Porto 22:29
    Sinto tristeza pelo vosso desconhecimento de quem quase isolado devolveu os Clérigos e as Carmelitas a cidade do Porto, Acreditem sinto vergonha. Tenho a certeza que D. Manuel Clemente e D. Américo Aguiar e os resistentes comerciantes sabem quem foi. E mais não digo a não ser sejam rigorosos,senão terei de dizer que MENTEM o que não desejo fazer. Se insistirem em erros primários descrefibilizam a estação e quem a comanda. Acredito que se retratem. A ver vamos.....,,,