Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022

Novo Governo. Quem são os 10 ministros estreantes de Costa?

23 mar, 2022 - 23:31 • Tomás Anjinho Chagas , Rosário Silva

Militantes e independentes. Sociólogos e juristas. Há dez nomes que entram para o novo Governo e que nunca tinham sido ministros. Há mais ministros novos do que repetidos. Pela primeira vez, há mais mulheres do que homens a ocupar o cargo.

A+ / A-

Veja também:


António Costa renovou o executivo. Mais de metade dos ministros do novo Governo são estreantes. Muitos deles estavam nos quadros socialistas, alguns são independentes e nunca tinham estado na política.

O primeiro-ministro nomeou o seu Governo mais curto de sempre e, pela primeira vez em democracia, há mais mulheres do que homens que ocupam o lugar de ministro. Há dez nomes que nunca o tinham feito.

Helena Carreiras – Ministra da Defesa Nacional

Com 56 anos e formada em Sociologia, Helena Carreiras é a primeira mulher a assumir a pasta da Defesa Nacional. Desde 2019 era líder o Instituto de Defesa Nacional, e é professora no ISCTE. Especializada em Sociologia Militar, tem-se dedicado a estudar o papel das mulheres nas Forças Armadas.

Depois de João Gomes Cravinho ir para a pasta dos Negócios Estrangeiros, Helena Carreiras vai ocupar o cargo de Ministra da Defesa Nacional.

José Luís Carneiro – Ministro da Administração Interna

Tem 50 anos, e fazer parte de um Governo não é novidade. Já tinha sido secretário de Estado das Comunidades Portuguesas no anterior executivo de António Costa. Quando terminou essa função, em 2019, foi indicado como secretário-geral adjunto do PS.

Formado em Relações Internacionais, é também professor universitário e colaborador do programa Casa Comum da Renascença.

Deputado entre 2005 e 2009 e entre 2015 e 2022. Foi presidente da Câmara Municipal de Baião várias vezes. Torna-se agora ministro da Administração Interna, assumindo um cargo que pertencia a Francisca Van Dunem, que substituiu Eduardo Cabrita a título temporário.

Catarina Sarmento e Castro – Ministra da Justiça

Tem 51 anos e é formada em Direito. Até agora era secretária de Estado de Recursos Humanos e Antigos Combatentes. Foi juíza do Tribunal Constitucional entre 2010 e 2019, e membro do Conselho Consultivo da Procuradoria-Geral da República. É professora da Faculdade de Direito de Coimbra desde 1994.

Catarina Sarmento e Castro sobe agora a ministra da Justiça e substitui Francisca Van Dunem, que ocupava o cargo desde que António Costa é primeiro-ministro.

Fernando Medina – Ministro das Finanças

Tem 49 anos e é formado em Economia e Sociologia Económica. É uma das novas caras deste Governo, mas não é novato em governos. Depois de passar pelo gabinete de António Guterres, foi secretário de Estado do Emprego e da Formação Profissional no Governo de José Sócrates, a partir de 2005. Em 2009 foi secretário de Estado da Indústria e Desenvolvimento, também com Sócrates enquanto chefe de Governo.

Em 2011 foi eleito deputado e vice-presidente do grupo parlamentar do PS. Dois anos depois junta-se a António Costa na Câmara Municipal de Lisboa, e acaba por substituí-lo quando o atual primeiro-ministro vence as eleições internas e se torna secretário-geral do PS. Concorre e vence em 2017, mantendo-se assim como autarca da capital até 2021.

No ano passado perdeu as eleições à Câmara de Lisboa, depois de a autarquia estar envolvida na polémica que demonstrou que a Câmara compartilhava dados de manifestantes às autoridades russas.

Regressa agora à vida política, e assume o cargo de ministro das Finanças. Sucede a João Leão, que tinha substituído Mário Centeno.

Ana Catarina Mendes – Ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares

É uma estreia absoluta. Com 49 anos e formada em Direito, Ana Catarina Mendes nunca tinha integrado nenhum Governo. Neste caso, isso não significa inexperiência política.

Foi secretária-geral adjunta do PS e era a atual líder do grupo parlamentar socialista.

Entre 1993 e 1997 foi deputada municipal em Almada. É deputada na Assembleia da República há 26 anos, desde 1995. E liderou o grupo parlamentar do PS entre 2019 e 2021.

Os assuntos parlamentares subiram de secretaria de Estado a ministério. Ana Catarina Mendes subiu com eles.

António Costa e Silva – Ministro da Economia e do Mar

Tem 70 anos e nasceu em Angola, país onde iniciou a sua carreira. Aos 28 anos, já depois do 25 de abril de 1974, entrou para a petrolífera Sonangol, começando a trabalhar, quatro anos depois, com a Companhia Portuguesa de Serviços.

Entre 1998 e 2001, António Costa e Silva foi diretor executivo da francesa Compagnie Générale de Geophysique (CGG) em Lisboa, antes de se mudar para Paris e trabalhar no Instituto Francês do Petróleo (IFP) como diretor de engenharia de reservatórios e diretor de operações durante dois anos.

Até agora gestor da petrolífera Partex, o independente António Costa e Silva foi chamado pelo Governo, em 2020, o documento “Visão estratégica para o Plano de Recuperação Económica e Social de Portugal 2020-2030”, um plano que define a estratégia para 10 anos, com a finalidade de ajudar a relançar a economia na pós-pandemia.

O amigo António Costa, o primeiro-ministro, não se esqueceu do seu contributo e ofereceu-lhe o Ministério da Economia e do Mar, neste novo Governo, cargo que pertencia a Ricardo Serrão.

Pedro Adão e Silva – Ministro da Cultura

Tem 50 anos e formou-se em Sociologia e é professor universitário de profissão. Tem sido comentador em vários meios de comunicação social nos últimos anos.

Pedro Adão e Silva é o atual comissário executivo das comemorações dos 50 anos do 25 de abril. O conhecido adepto do Benfica fez parte do Secretariado Nacional do PS entre 2002 e 2004, altura em que os socialistas eram liderados por Eduardo Ferro Rodrigues.

Depois de Graça Fonseca, Pedro Adão e Silva é o novo ministro da Cultura.

Elvira Fortunato – Ministra da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Tem 57 anos e é formada em Engenharia dos Materiais. Elvira Fortunato, foi até agora vice-reitora da Universidade NOVA de Lisboa, onde coordena a área de investigação desde 2017.

A professora Catedrática no Departamento de Ciência dos Materiais da FCT NOVA é também Diretora do Laboratório Associado Instituto de Nanomateriais, Nanofabricação e Nanomodelação. Em 2022, integrou o grupo de 27 mulheres inspiradoras da Europa, eleitas pela atual Presidência Francesa da União Europeia.

Com mais de 800 publicações científicas, Elvira Fortunato recebeu nos últimos anos mais de 30 prémios e distinções internacionais pelo seu trabalho, sendo de destacar a condecoração com o grau de Grande Oficial da Ordem do Infante D. Henrique o Navegador, pelo Presidente da República em 2010, a Medalha Blaise Pascal em 2016, o Prémio Czochralski em 2017 e o Prémio Pessoa de 2020.

É a primeira vez que exerce funções governativas, e sucede a Manuel Heitor na pasta da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior.

João Costa – Ministro da Educação

É uma promoção direta. Com 49 anos, sobe de secretário de Estado, para Ministro da Educação. Formado em Linguística, é professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e chegou a ser diretor da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas. Veio com António Costa para o Governo, em 2015, e esteve sempre na pasta da Educação.

Depois de seis anos enquanto Secretário de Estado, vai suceder a Tiago Brandão Rodrigues, que foi seu ministro na pasta da Educação.

Duarte Cordeiro – Ministro do Ambiente e da Ação Climática

Tem 43 anos, é formado em Economia e Gestão. Era desde 2019 o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares.

Antes disso tinha desempenhado funções de vereador e vice-presidente da Câmara Municipal de Lisboa, nos mandatos de António Costa e Fernando Medina, respetivamente. No PS tem sido uma constante nos lugares de destaque. Foi líder da Juventude Socialista entre 2008 e 2010 e é o atual líder da Federação da Área Urbana de Lisboa do PS. Nas últimas eleições legislativas foi o diretor de campanha de António Costa.

Duarte Cordeiro estreia-se como ministro, e sucede a João Pedro Matos Fernandes na pasta do Ambiente e da Ação Climática.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+