Tempo
|
A+ / A-

Pandemia de Covid-19

Feirantes ponderam marcha de protesto. Proibição de feiras e mercados é "facada nas costas"

01 nov, 2020 - 19:56 • Manuela Pires com redação

"Isto é uma facada nas costas que o Governo está a dar a todos os que operam em mercados e feiras", critica Joaquim Santos, presidente da Federação Nacional das Associações de Feirantes, pedindo a Marcelo que interceda pela classe.

A+ / A-

O que o Governo anunciou para reforçar combate à Covid-19:


A Federação Nacional das Associações de Feirantes admite a realização de uma marcha de protesto em Lisboa contra a suspensão de feiras e mercados, anunciada sábado pelo Governo como parte de uma série de restrições que vão entrar em vigor na quarta-feira em 121 concelhos do país.

Os comerciantes dizem que a decisão ontem anunciada "é uma facada nas costas" e apelam à intervenção do Presidente da República para que o setor não seja castigado no âmbito do combate à pandemia de Covid-19.

"Isto é uma facada nas costas que o Governo está a dar a todos os que operam em mercados e feiras", critica Joaquim Santos, presidente da Federação Nacional das Associações de Feirantes, em entrevista à Renascença.

"Ainda não tínhamos sequer recuperado de um confinamento em que fomos dos primeiros a fechar e quase os últimos a retomar atividade e sofremos outra paragem", adianta o representante dos feirantes e produtores, lembrando que o setor é o único que foi proibido de operar a partir de quarta-feira, ao contrário dos restantes setores em que haverá apenas limites e restrições de horários.

Após um Conselho de Ministros extraordinário convocado por Costa para ontem, o Governo decidiu alargar o confinamento parcial já implementado em três concelhos do Norte a um total de 121 concelhos do país, incluindo as Áreas Metropolitanas do Porto e de Lisboa.

Entre as medidas que vão entrar em vigor na quarta-feira conta-se a proibição de feiras e de mercados. Já no que toca a estabelecimentos comerciais e restauração, os primeiros poderão funcionar até às 22h e os segundos até às 22h30.

Face à situação, a Federação Nacional de Feirantes apela a Marcelo que intervenha, lembrando que tem cumprido todos os planos de contingência e regras impostas pela DGS e pelo Governo.

"Pedimos ao sr. Presidente da República, a única réstia de esperança, que não valide esta inconstitucionalidade e esta discriminação", diz Joaquim Santos na Renascença.

"Estamos dispostos a aplicar mais restrições, mas apelo ao Presidente da República para fazer jus aos nossos direitos, porque a única classe que está proibida de trabalhar a partir de quarta-feira é a dos feirantes, sem haver motivos, penso eu, para tal."

Questionado sobre restrições que possam ser implementadas no lugar de proibir feiras e mercados, o presidente da Federação Nacional de Asssociações de Feirantes dá como exemplos "reduzir os horários" e o também o limite máximo de pessoas autorizadas a estar em cada recinto ao mesmo tempo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+