Graça Franco
Opinião de Graça Franco
A+ / A-
Opinião

Entre os kits e os tiques da família socialista

30 jul, 2019 • Opinião de Graça Franco


Na polémica dos kits antifogo e das golas inflamáveis, das duas uma: ou há incompetência ou nos tomam a todos por patetas e isso talvez já mereça a demissão. Mas a lei para isto não prevê coisa nenhuma.

A lei das incompatibilidades, na sua formulação em vigor, é clara: os titulares de cargos públicos que detenham mais de 10% de uma empresa não podem concorrer com ela a quaisquer concursos públicos. E o seu artigo 8, nº 2, diz que o mesmo se aplica a “cônjuges, ascendentes, descendentes”, etc.

Ou seja, o filho de um secretário de Estado, detendo 20% de uma empresa, não pode concorrer a concursos públicos, sejam eles ou não da área sob tutela do pai. É o caso de Nuno Neves, filho do secretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves, que tendo uma empresa de construção (ZERCA) não só concorreu a vários concursos públicos como os ganhou.

Parece-me um exagero esta leitura literal. Aliás, a nova lei, que já passou pelo crivo da Presidência da República, ainda que com reservas do Presidente, entrará em vigor na próxima legislatura não prevendo o mesmo impedimento. Mas dizem os juristas contactados pela Renascença que a lei atual é clara e para aplicar.

O Tribunal Constitucional não é sequer para aqui chamado porque ninguém fez nenhuma declaração que possa ser considerada falsa.

Então, quem deve aplicar a lei? A resposta aparentemente é que quem a deve aplicar é o próprio, demitindo-se. Mas como ele já comunicou às redações que não o fará, porque acha que isso não faz sentido nenhum, teremos um problema. Quem o fará demitir-se? Obviamente Costa, propondo a exoneração ao Presidente.

Conhecendo o chefe do Governo, é melhor esperarmos sentados. Quanto a mim, se efetivamente pai e filho agiram separadamente não vem dali mal ao mundo. Já outra coisa seria provar-se existir efetiva intervenção do pai a favor do filho.

Uma demissão automática por causa dos negócios do filho parece-me só tonto. Aliás, em plena época de combate aos fogos até um secretário de Estado da Proteção Civil muito ineficaz faz alguma falta. A dois meses das legislativas, não é fácil encontrar alguém capaz de oferecer o corpo às chamas.

Outra coisa é a abertura do inquérito da Procuradoria-Geral da República ao caso das golaa inflamáveis. Essa só peca, como sempre, por tardia e confessemos que já cá faltava. Como o Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP) tem pouquíssimo que fazer, vale sempre a pena abrir um novo inquérito.

Aqui, sim, há matéria de sobra porque na polémica das golas antifumo (altamente inflamáveis!) até agora apenas se demitiu um técnico adjunto do mesmo secretário de Estado.

Ou seja, como alguém tinha de se demitir, a escolha recaiu, como sempre, sobre o menor na escala dos eventuais implicados: o líder do PS Arouca que era, simultaneamente, o especialista do gabinete do secretário de Estado da Proteção Civil e o homem que sugeriu a essa mesma Proteção Civil quais as empresas a consultar, incluindo a que foi escolhida para ajuste direto pós-consulta prévia. Percebido?

A empresa (Foxtrot), criada uns meses antes dessa encomenda, dedicada ao "turismo de aventura" e à restauração, não sendo da especialidade, foi uma das sugeridas e tinha a vantagem de o dono ser o marido da presidente da Junta de Freguesia de Longos (candidata apoiada pelo PS). Entre a ideia do kit antifogos e a concretização do mesmo não foi preciso sair do grande circuito da grande família socialista. Não costuma ser crime, mas desta vez deu nas vistas.

Mas o mais espantoso é que o próprio secretário de Estado, que numa primeira reação disse não ter nada a ver nem com as empresas nem com a sua escolha, nem sequer com as encomendas, nem com o kit, porque tudo passara pela Proteção Civil, foi rápido a aceitar a demissão do ajudante, logo no dia a seguir. E foi lesto a instaurar um grande inquérito para apurar o sucedido com a adjudicação do produto que, segundo o "Jornal de Notícias", se fizera “acima do preço de mercado”. Azar dos azares, o assessor auto-acusou-se.

Contudo, há um ano, no programa da Júlia Pinheiro da SIC, ao fazer a apresentação das vantagens do dito kit, o próprio secretário de Estado José Artur Neves tomou contacto em direto com todo o seu conteúdo, admitindo com toda a naturalidade que o “gorro de proteção antifumo” não era produzido em nenhuma “matéria especial”, como julgava a apresentadora: “Não, não”, disse, para que não restassem dúvidas. E acrescentou ainda, ele ou alguém ao seu lado, “ e deve ser humedecido”...

Ainda assim, não disse que o “gorro antifumo” estava ali a título meramente exemplificativo de um qualquer lenço de algodão ou de outro material resistente ao fogo (um mero pano da loiça, por exemplo), como nos tentaram convencer na sexta-feira em que rebentou a polémica, que foi dito tim-tim por tim-tim, em todas as apresentações e a cada um dos utilizadores.

Candidamente, à pergunta de Júlia Pinheiro sobre se a gola era anti-inflamável, o demonstrador falou só da falta de água. Fica, portanto, clarinho que o próprio governante (e não o senhor Joaquim de baixa literacia a quem a gola iria ser entregue…) achava que o material fornecido era mesmo inflamável, mas para ser usado. Bastava dar-lhe um banhinho. O povo diz, e bem, que "a verdade vem sempre à tona de água".

É por isso que o problema não está sequer no preço pago (segundo o JN) muito acima do preço de mercado. Não está apenas na falta de transparência da adjudicação (por consulta direta a empresas cuja especialidade estava muito longe de ser a devida, e aparentemente recém-criada para o efeito). Também não se restringe à relação obviamente de proximidade ao partido do Governo, o especialista presidente da concelhia do PS que indica o marido da presidente da junta eleita com o apoio desse mesmo partido.

Está, sobretudo, em que ninguém, em todo o processo, se questionou sobre aquela coisa óbvia sobre a qual a apresentadora se indagou mal viu a gola: num kit antifogo, isto é de uma matéria especial, certo? Errado. E constatado o erro, resolvido ali no estúdio com a simples passagem do pano por água. Mais ninguém se perguntou sobre o caso.

À saída da SIC, ao secretário de Estado, acompanhado por alguém da Proteção Civil, não lhe ocorreu perguntar: "Então aquela gola não devia ser de outro material qualquer?" Ou sugerir: "Talvez seja melhor tirar o gorro do saco não vá alguém usar aquilo e pôr-se a combater o incêndio no quintal com aquilo na cabeça…" E a emenda acaba pior que o soneto.

Não. Há um ano, Júlia Pinheiro perguntou o óbvio e a resposta já podia ter sido: não, não e não. Essa gola não é antifogo, nem sequer antifumo, e é bom não confundir! “Isso está aí só para ninguém se esquecer de levar um pano a tapar a cara, mas outro pano, de algodão e, claro, devidamente humedecido para fazer efeito.”

Se o secretário de Estado, há um ano, não o explicou assim, querem agora convencer-nos de que os agentes que foram mostrar à aldeia da D. Emília como funcionava o kit se esqueceram de lhe dizer que o pano era para guardar como recordação dos agentes da Proteção Civil?

Isto, sim, prova que das duas uma: ou há incompetência ou nos tomam a todos por patetas e isso talvez já mereça a demissão. Mas a lei para isto não prevê coisa nenhuma. E é pena.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Portuga
    14 ago, 2019 Lisboa 14:14
    Bem os deputados e governantes para justificar os seus altos vencimentos deveriam ter o seu perfil politico e escolar plasmado em folha A4 para poderemos ajuizar o conhecimento abrangente e em que áreas e os seus percursos académicos .Custa a admitir que não nos governem os melhores entre os melhores pois os vencimentos na AR com suplementos darão uma média de 5 000 euros por deputados mais ou menos.temos direito a executores do Estado altamente diferenciados e elevado QI.Os grandes decisores e lideres devem ser super inteligentes ,racionais e íntegros.Nao existindo este comprometimento casos como os referidos serão mais e muitos.Nao basta pertencer a um partido para exercer cargos é preciso currículo meritrocático.O perfil dos qudros interm´dios dependentes de nomeação tb deveria obedcer ás mesmas regras.
  • António Ferreira
    14 ago, 2019 10:43
    Bom dia . Sou residente em Fafe, terra na qual a referida empresa fornecedora dos kits "anti-fogo" desenvolve as suas actividades. Fiquei estupefacto ao saber que a empresa concessionária da nossa barragem de Queimadela, ( parece irónico reparem no nome!), tinha fornecido golas anti-fogo ao estado! No inicio ainda fiquei confuso... Talvez o concurso tivesse envolvido também os Banheiros da Povoa de Varzim....ou os concessionários da praia da Nazaré... Deste modo teria sido mais justo , pois teriam consultadas "empresas verdadeiramente ESPECIALISTAS em produtos têxteis"! Deixando de lado a ironia, e sem querer abordar outros pormenores (para tal temos a PGR). Como fafense, lamento, que sendo esta uma zona de dezenas de empresas têxteis e de confecções, das quais algumas poderiam desenvolver e fornecer golas de verdadeira eficácia e qualidade , "alguém" as tenha preterido por esta empresa de campismo e aventura!!!
  • Freias
    10 ago, 2019 Vila Nova de Gaia 22:15
    Dr.ª e Senhora Dr.ª Graça Franco : - bem sei que como diretora de uma das mais prestigiadas redações de informação tem o direito , e o dever , de estar atenta ao que se passa pelo nosso mundo . Mas repare . Seremos nós os únicos , os portugueses , que sabem , ou não , o que se passa neste país de nome Portugal ? Não acha estranho que com tanta " desinformação " Alguém " não se poria à prova e resolver os problemas ! Posso dar um exemplo ! À dias , numa conhecida estação de comboios da cidade do Porto , abordei um senhor da Europa de Leste , e no final da minha conversa com esse tal senhor , e repare que não fui eu que eliciei o comentário deste , ele então diz-me : " - Muita corrupção ! " . Dr.ª Graça Franco , não quero e espero com honestidade , retirar de si á força que á move á continuar á sua vida de investigadora , jornalista , empresária e directora , mas qual é então o problema de se acumularem cargos ? Ambos abemos que Portugal é uma república encenada . Em Portugal " safam-se " os espertos . Por mim vou deixar passar . Se o dinheiro é o que faz as pessoas felizes … Boa noite !
  • César Augusto Saraiva
    02 ago, 2019 Maia 19:15
    Essa incompatibilidade parece absurda. Mas então os familiares de um governante deixam de ser independentes e perdem todos os seus direitos de cidadão, tendo de deixar a sua vida privada e os seus negócios, só porque têm um membro da família no governo!? E o governante passa a ser obrigado a sustentar todos esses familiares que nada podem fornecer ao estado?! Incompreensível e muito mal explicado. Haja, pois, quem explique melhor sem laivos de inveja e maledicência...
  • J M
    31 jul, 2019 Seixal 12:27
    A senhora Graça Franco quando escreve estes artigos, antes de os publicar deveria atualizar-se. Em vez de publicar os diálogos da Júlia Pinheiro com um convidado num programa da SIC emitido há um ano atrás, devia primeiro ter visto ontem na RTP1, os testes efetuados e o esclarecimento do especialista em incêndios florestais Domingos Xavier Viegas, sobre as polemicas golas inflamáveis. Se o tivesse feito, teria ficado elucidada que não são inflamáveis, nem necessitam de nenhum banhinho para não se inflamarem. Eu compreendo a sua ansiedade em desgastar o mais possível a imagem deste governo a três meses das legislativas, mas assim escusava de vir para a praça publica escrever baboseiras.
  • Carlos Monteiro Pereira
    30 jul, 2019 19:45
    Enquanto as sondagens continuarem a seu favor, o 1º ministro nunca deixará cair um amigo.É esta a grande diferença de países onde a democracia se cumpre.