A+ / A-
Incêndios

Secretário de Estado da Proteção Civil já tinha admitido que a gola antifumo era inflamável

30 jul, 2019 - 14:45 • Redação

Há mais de um ano, José Artur Neves esteve na SIC e, quando questionado sobre as polémicas golas, admitiu que deviam ser humedecidas porque o material era inflamável.

A+ / A-

O secretário de Estado da Proteção Civil já tinha admitido há mais de um ano que a gola antifumo incluída nos polémicos kits antifogo, distribuídos ao abrigo dos programas "Aldeias Seguras" e "Pessoas Seguras", era inflamável.

No início de julho de 2018, José Artur Neves esteve no programa de Júlia Pinheiro para falar do kit antifogo e, quando questionado pela apresentadora sobre o material das golas, disse que era inflamável, pelo que deveria ser humedecido, recorda o “Observador” esta terça-feira.

Em contraponto, o jornal acrescenta que o guia de apoio que acompanha o kit recomenda a não se molhar a roupa, uma vez que a água é uma excelente condutora de calor, aumentando, dessa forma, o risco de queimaduras em cenário de incêndio.

Esta terça-feira, José Artur Neves disse que vai manter-se no cargo de secretário de Estado da Proteção Civil, apesar de já ter sido acusado de ter sido o principal responsável pela escolha das golas, que foram produzidas por uma empresa de turismo que pertence ao marido de uma autarca do PS e que custaram mais do dobro do preço de mercado.

Também acusado de ter usado do seu cargo para favorecer o filho, que celebrou pelo menos três contratos com o Estado depois de o pai ter assumido funções governativas, violando a lei da incompatibilidade, José Artur Neves defendeu ainda a sua idoneidade e a do seu filho.

"Não tive qualquer influência nem estabeleci qualquer contacto, nem o meu filho alguma vez invocou o seu grau de parentesco, de que pudesse resultar qualquer expectativa de favorecimento pessoal”, garantiu em comunicado enviado às redações.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.