A+ / A-

​Pedro Nuno Santos sente-se "desobrigado" de viabilizar Governo AD, mas mantém o que disse

21 fev, 2024 - 18:34 • Pedro Mesquita , com redação

Sobre alianças pós-eleitorais, o líder do PS deixa claro que, se conseguir um apoio maioritário à esquerda, seguirá a receita da “Geringonça”, que ajudou a preparar quando foi secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares.

A+ / A-
Pedro Nuno Santos sente-se "desobrigado" de viabilizar Governo AD
Pedro Nuno Santos sente-se "desobrigado" de viabilizar Governo AD

Veja também:


O secretário-geral do PS começou esta quarta-feira por dizer que se sente “desobrigado” de viabilizar um eventual Governo minoritário do PSD. Mais tarde, Pedro Nuno Santos esclareceu que exige “reciprocidade” e mantém a posição de não votar favoravelmente uma moção de rejeição a um executivo liderado por Luís Montenegro.

À entrada para um congresso da CIP, no Porto, o líder socialista começou por afirmar que se sentia “desobrigado” de viabilizar um executivo da Aliança Democrática (AD), a coligação PSD/CDS/PPM, depois do silêncio do líder social-democrata Luís Montenegro sobre o que fará no dia a seguir às eleições legislativas de 10 de março.

Há dois dias, no debate entre os dois candidatos a primeiro-ministro, Pedro Nuno Santos disse que viabilizaria um Governo de maioria relativa da Aliança Democrática (AD), mas declara-se agora desobrigado a fazê-lo, porque o líder do PSD ainda não garantiu posição idêntica perante um eventual governo do PS, sem maioria.

“Já são dois dias depois do debate e Luís Montenegro continua sem dizer o que fará perante um Governo do PS e acho que essa resposta impõe-se. O PSD não está disponível para garantir ao PS aquilo que o PS garantiu, por isso, nós sentimo-nos desobrigados”, declarou Pedro Nuno Santos.

Está desobrigado a viabilizar um Governo minoritário da AD? “Não podemos exigir ao PS que garanta aquilo que o PSD não está disponível para garantir e que é algo tão simples, o que levanta uma questão: o que é que isso significa sobre potenciais alianças que o PSD quer construir”, respondeu o líder socialista.

Depois destas primeiras declarações, Pedro Nuno Santos voltou a falar com os jornalistas à saída do Congresso da CIP para esclarecer o que queria dizer: “Fui mal interpretado. Aquilo que eu disse, não retiro, mas exigimos reciprocidade. O único repto que eu quero continuar a lançar ao PSD é reciprocidade. Não apresentaremos nem viabilizaremos nenhuma moção de rejeição, se o Partido Socialista não ganhar ou não tiver uma maioria para apresentar”, garantiu.

OuvirPausa
"O único repto que eu quero continuar a lançar ao PSD é reciprocidade", diz Pedro Nuno Santos

Sobre alianças pós-eleitorais, o líder do PS deixa claro que, se conseguir um apoio maioritário à esquerda, seguirá a receita da “Geringonça”, que ajudou a preparar quando foi secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares.

"Fui secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, entre 2015 e 2019, essa pergunta está mais do que respondida pela prática política do PS nos últimos oito anos. Fui secretário de Estado de um Governo que foi constituído nessas condições", declarou Pedro Nuno Santos.

No debate televisivo da passada quarta-feira, Pedro Nuno Santos afirmou que, se o PS perder as eleições, viabilizaria um eventual governo da Aliança Democrática (AD), liderado pelo PSD.

"O PS, se não ganhar, não apresentará uma moção de rejeição nem viabilizará uma moção de rejeição se houver uma vitória da AD, que nós esperamos que nunca aconteça", declarou Pedro Nunos Santos, no frente a frente na RTP, SIC e CNN Portugal, que decorreu no Teatro Capitólio, em Lisboa.

OuvirPausa
Pedro Nuno Santos admite acordos à esquerda

O líder do PSD não esclareceu se faria o mesmo e disse acreditar que a AD pode chegar à maioria absoluta, em conjunto com os votos da Iniciativa Liberal.

Pedro Nuno Santos respondeu que o "tabu mantém-se" no PSD em relação ao dia a seguir às eleições e referiu que, sobre aprovação de orçamentos, não é uma questão para a campanha eleitoral.

[notícia atualizada às 19h20 - com novas declarações de Pedro Nuno Santos]

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ze
    22 fev, 2024 aldeia 14:31
    Se o PS não fez quando tinha uma maioria, iria fazer agora, sabendo que não tem maioria?Promessas.....e enganar os papalvos......50 anos a empobrecer o país.Precisamos de novas politicas e de novos politicos, pois os antigos (sempre os mesmos)nada fazem para o desenvolvimento de Portugal, cada vez mais pobres, cada vez mais dependentes da UE, sempre de mãom esticada a aguardar esmolas.Chega,dia 10 de março temos uma oportunidade de mudar,aproveitem.

Destaques V+