Tempo
|
A+ / A-

Marcelo associa escolha de Pizarro a decreto sobre SNS mais próximo da sua opinião

09 set, 2022 - 20:00 • Lusa

Presidente da República dá posse ao novo ministro da Saúde, Manuel Pizarro, no sábado, às 18h30.

A+ / A-

Veja também:


O Presidente da República associou hoje a escolha de Manuel Pizarro para novo ministro da Saúde ao decreto-lei que cria uma direção executiva do SNS que considerou ser uma aproximação à sua opinião sobre esta matéria.

Em resposta a perguntas dos jornalistas, no Rio de Janeiro, Marcelo Rebelo de Sousa referiu ter recebido hoje a proposta de nomeação de Manuel Pizarro para substituir Marta Temido à frente do Ministério da Saúde, que aceitou, em conjunto com o decreto aprovado na quinta-feira em Conselho de Ministros.

"Eu naturalmente que aceitei a proposta do senhor primeiro-ministro, em conjunto com uma realidade que irei analisar nos próximos dias, na próxima semana, que é a regulamentação do Serviço Nacional de Saúde (SNS), e em que parece que há passos no sentido daquilo que foi a minha opinião sobre a matéria", declarou.

Ressalvando que ainda não viu o decreto do Governo, o chefe de Estado acrescentou que "tudo indica que é uma solução que evolui para uma posição próxima daquela que eu tinha defendido", no sentido de "uma separação clara entre as decisões políticas ao nível de ministro e ministério e a gestão mais independente, mais autónoma, mais isenta através de outra instituição que não diretamente o ministério".

"É neste quadro que naturalmente eu interpretei a escolha do novo ministro da Saúde, nome que me foi proposto hoje", concluiu Marcelo Rebelo de Sousa, que falava depois de uma cerimónia no navio-escola Sagres da Marinha portuguesa, na zona portuária do Rio de Janeiro, último ponto da sua visita oficial ao Brasil.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+