A+ / A-

Leia os pontos de reflexão que o Papa sugere aos bispos para lidar com abusos

21 fev, 2019 - 15:25 • Filipe d'Avillez , Aura Miguel

Francisco estabelece 21 pontos que podem ser considerados um guião para os bispos e superiores de ordens religiosas poderem lidar mais corretamente com casos de abusos sexuais.

A+ / A-

Veja também


Os 190 participantes da cimeira sobre abusos sexuais na Igreja receberam, na aberura dos trabalhos, das mãos do Papa uma lista de 21 pontos de reflexão para poderem lidar melhor com a crise que tem abalado a Igreja em várias partes do mundo.

Os pontos foram também divulgados à imprensa. A Renascença traduziu-os e apresenta-os aqui, na íntegra.

Pontos de reflexão sugeridas pelo Papa Francisco aos bispos

1. Elaborar um guião prático em que se especificam os passos a cumprir pelas autoridades sempre que surja um novo caso.

2. Criar uma estrutura de audição, composta por pessoas formadas e por peritos, que analisará em primeira instância os casos das presumíveis vítimas

3. Estabelecer critérios para colaboração entre os bispos e os superiores de ordens religiosas.

4. Implementar procedimentos compartilhados para o exame das acusações, a proteção das vítimas e o direito de defesa do acusado.

5. Informar as autoridades civis e eclesiásticas superiores, respeitando as normas civis e canónicas.

6. Rever periodicamente os protocolos e as normas para garantir um ambiente de proteção dos menores em todas as estruturas pastorais; protocolos e normas baseadas no princípio da justiça e da caridade e que devem ser integradas para que a ação da Igreja neste campo seja também conforme a sua missão.

7. Estabelecer protocolos específicos para tratar acusações contra bispos.

8. Acompanhar, proteger e tratar as vítimas, oferecendo-lhes todo o apoio necessário para uma recuperação completa.

9. Aumentar a consciencialização sobre as causas e consequências do abuso sexual, através de iniciativas de formação permanente de bispos, superiores religiosos, clérigos e agentes de pastoral.

10. Preparar percursos de cura pastoral das comunidades feridas pelos abusos e um itinerário penitencial e de recuperação para os culpados.

11. Consolidar a colaboração com todas as pessoas de boa-vontade e com a comunicação social para poder reconhecer e discernir que casos são verdadeiros e quais os falsos, as acusações da calúnia, evitando rancores e insinuações, rumores e difamação.

12. Elevar a idade mínima do casamento para os 16 anos.

13. Estabelecer disposições que regulem e facilitem a participação dos peritos leigos nas investigações e nos diferentes graus de juízo dos processos canónicos relacionados com os abusos sexuais e de poder.

14. O direito à defesa: É necessário salvaguardar também o princípio do direito natural e canónico de presunção de inocência até prova da culpa do acusado. Por isso é de evitar que sejam publicadas listas de acusados, também por parte das dioceses, antes de serem investigados e definitivamente condenados.

15. Respeitar o princípio tradicional da proporcionalidade da punição com o crime cometido. Decidir que os padres e bispos condenados do abuso sexual dos menores abandonem o ministério.

16. Introduzir regras sobre seminaristas e candidatos ao sacerdócio ou vida religiosa. Garantir que haja programas de formação inicial e contínua para os ajudar a desenvolver a sua maturidade humana, espiritual e psicossexual, bem como as suas relações interpessoais e comportamentos.

17. Garantir que os candidatos ao sacerdócio e à vida consagrada sejam sujeitos a avaliações psicológicas por parte de peritos qualificados e acreditados.

18. Estabelecer normas para governar a transferência de um seminarista ou aspirante a uma ordem religiosa de um seminário para outro; bem como padres e religiosos de uma diocese ou congregação para outra.

19. Formular códigos de conduta obrigatórios para todos os clérigos, religiosos, funcionários e voluntários para estabelecer os limites apropriados para as relações pessoais. Sejam específicos sobre os requisitos para os funcionários e voluntários e peçam os seus registos criminais.

20. Explicar todas as informações e dados sobre o perigo dos abusos e os seus efeitos, como reconhecer sinais de abusos e como relatar casos suspeitos de abuso sexual. Tudo isto deve acontecer em colaboração com pais, professores e as autoridades civis e profissionais.

21. Onde ainda não existam, estabeleçam grupos facilmente acessíveis para vítimas que queiram relatar qualquer crime. Tal organização deve gozar de uma certa autonomia em relação à autoridade eclesiástica local e deve incluir peritos (clero e leigos) que saibam como exprimir a atenção da Igreja àqueles que tenham sido ofendidos por atitudes impróprias de clérigos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • JOAQUIM S.F. SANTOS
    22 fev, 2019 Tojal 09:53
    Mais importantes são os dez mandamentos, que parte dos eclesiásticos ignora ou ofende.