|

 Casos Ativos

 Suspeitos Atuais

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Passos Coelho pede "sobressalto cívico" contra forma "leviana" como querem aprovar a eutanásia

12 fev, 2020 - 19:43 • Lusa

Antigo primeiro-ministro e líder do PSD considera "leviana" forma como a esquerda parlamentar se prepara para legislar sobre a eutanásia. Passos Coelho gostava de ver o seu partido a assumir uma posição: "Não basta deixar à consciência de cada um".

A+ / A-

Leia também


O ex-líder do PSD Pedro Passos Coelho classifica de "leviana" a forma como o Parlamento se prepara para legalizar a eutanásia, considerando que a petição pró-referendo tem "o mérito" de provocar um "sobressalto cívico" sobre a matéria.

Em declarações ao “Expresso”, o anterior primeiro-ministro reitera não ser "particular defensor" da realização de referendos sobre este tipo de assuntos.

"Percebo bem que os peticionários estejam inconformados com a ligeireza com que o Parlamento se prepara para aprovar a eutanásia", refere Passos Coelho.

Para o antigo primeiro-ministro, a petição que pede uma consulta popular tem "o mérito de chamar a atenção para a necessidade de se discutir seriamente o tema e provocar um sobressalto cívico com a forma leviana como a esquerda entende legislar sobre assuntos da maior importância".

Passos defende que PSD deve "emitir opinião"

O antigo líder do PSD gostava ainda de ver o partido a assumir uma posição: "Não basta deixar à consciência de cada um", refere, considerando que "se um partido se alheia de emitir opinião, então nega a sua razão de ser e coloca sobre os seus representantes uma responsabilidade desproporcionada".

Na quinta-feira às 11h00, haverá reunião da bancada parlamentar do PSD, liderada pelo reeleito presidente Rui Rio, que já disse que voltará a haver liberdade de voto em todos os projetos votados no próximo dia 20.

Em declarações à Renascença, um dos vice-presidentes da bancada, Carlos Peixoto, admite que se o referendo "for a intenção da maioria dos deputados do grupo parlamentar, se for a intenção da direção do partido e como essa já foi a intenção do partido no congresso, obviamente, que se estas três condições se conjugarem, o PSD pode avançar com essa iniciativa".

Em 2018, quando a eutanásia foi pela primeira vez a votos na Assembleia da República e não houve uma maioria bastante para a legalizar, Pedro Passos Coelho assumiu, num artigo no Observador, a sua posição contra a lei. "Pode parecer inicialmente coisa pouca, mas a alteração legislativa pretendida mudaria radicalmente a nossa visão de sociedade", sustentou então.

Nesse artigo, alertava que a eutanásia poderia representar "uma demissão e uma desresponsabilização da sociedade na forma de ajudar os que sofrem" e admitia que não era "particular defensor da realização de referendos sobre este tipo de assuntos", que "apelam à maior ponderação e reflexão críticas, normalmente pouco consentâneas com os mecanismos do tipo de democracia direta como os referendos".

Em entrevista à RTP durante o congresso do último fim de semana, o líder do PSD, Rui Rio, manifestou-se pessoalmente contra a ideia de um referendo, mas sem excluir totalmente essa hipótese. "Neste momento está agendado [o debate para 20 de fevereiro], não há nada a fazer, não haverá referendo na próxima semana", disse.

Mesmo com mais tempo, Rui Rio foi cauteloso: "Eu, pessoalmente, tendo a dizer que não, se o partido entender que esta matéria um dia deverá ser decidida por referendo, também não é antidemocrático."

A Assembleia da República debate em 20 de fevereiro cinco projetos de lei para a despenalização da morte assistida, do BE, PS, PAN, PEV e Iniciativa Liberal, que preveem essa possibilidade sob várias condições.

Em 2018, o parlamento debateu projetos de despenalização da eutanásia, apresentados pelo PS, BE, PAN e Verdes, mas foram todos chumbados, numa votação nominal dos deputados, um a um, e em que os dois maiores partidos deram liberdade de voto.

Há dois anos, o CDS votou contra, assim como o PCP, o PSD votou dividiu-se, uma maioria no PS votou a favor. O BE, PAN e PEV votaram a favor.

A duas semanas do debate parlamentar, um grupo de cidadãos iniciou uma recolha de assinaturas para realização de um referendo sobre a matéria, que tem o apoio da Igreja Católica. Dos partidos com representação parlamentar, apenas o CDS-PP e o Chega apoiam a ideia, assim como vários dirigentes do PSD.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • MaAdélaïde Ferreira
    13 fev, 2020 Famalicão 21:30
    Eu sou contra autanasia porque não dar uma melhor qualidade de vida as pessoas que estão no sofrimento em vez de optarem pela eutanásia é triste .