Ciclone Idai. Há um português em Maputo “perto demais para não tentar ajudar”

22 mar, 2019 - 17:50 • Joana Bourgard

Após a passagem do ciclone Idai pela cidade da Beira, em Moçambique, Pedro Alves, um português a viver em Maputo há seis meses, achou que estava "perto demais para não tentar ajudar" as vítimas do ciclone. Associou-se a um grupo criado no Facebook chamado "Unidos por Beira" que tem como missão enviar um navio com 14 mil toneladas de alimentos e bens para a Beira. Pedro chega esta sexta-feira à Beira, com mais cinco amigos, para preparar a chegada de navio de forma a que os alimentos e bens sejam distribuídos o mais depressa possível.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.