Tempo
|
A+ / A-

"Hoje é um novo dia". Costa ignora crise política

03 mai, 2023 - 11:35 • Olímpia Mairos

“Ontem foi ontem, hoje é um novo dia. Olhe para o céu, está tão bonito”, diz o primeiro-ministro, em Braga.

A+ / A-

Em Braga, para um “Governo mais próximo”, António Costa foi fintando as perguntas dos jornalistas e não respondeu às questões relacionadas com o aparente clima de tensão entre Belém e S. Bento, motivado pelas polémicas dos últimos dias a envolverem o seu ministro das Infraestruturas.

“Nunca temo receber um telefonema do senhor Presidente. É sempre um gosto”, disse Costa, realçando que “o Governo está focado em trabalhar". "As coisas que se decidiram ontem ficaram decididas, hoje é um novo dia”, diz.

“A vida política é muito menos ficção do que tradicionalmente julgam, é muito mais normal”, atirou o primeiro-ministro.

Questionado pelos jornalistas sobre a presença ou não de João Galamba no distrito de Braga, no âmbito do “Governo mais próximo”, António Costa disse que “amanhã já terá agenda”.

“Ontem foi ontem, hoje é um novo dia. Olhe para o céu, está tão bonito”, convidou.

João Galamba deveria participar esta tarde, no campus de Azurém da Universidade do Minho, na sessão de encerramento de apresentação do ponto de situação do protocolo de cooperação firmado entre a UMinho e a Infraestruturas de Portugal, mas em comunicado a academia já fez saber que o evento foi cancelado.

Nos últimos dias, o ministro das Infraestruturas esteve envolvido em polémica com o seu ex-adjunto Frederico Pinheiro, que demitiu há uma semana, sobre informações a prestar à Comissão Parlamentar de Inquérito à Tutela Política da Gestão da TAP.

Na terça-feira, durante a manhã, o primeiro-ministro recebeu o ministro João Galamba na residência oficial de São Bento. Depois, de tarde, esteve no Palácio de Belém, entre cerca das 17h00 e as 18h45, numa audiência que solicitou ao Presidente da República.

Perto das 20h20, o ministro das Infraestruturas anunciou, em comunicado, o seu pedido de demissão ao primeiro-ministro, justificando a decisão com o “atual quadro de perceção criado na opinião pública” e “em prol da necessária tranquilidade institucional”.

Cerca de meia hora depois, António Costa fez saber que não aceitava o pedido de demissão, considerando que a João Galamba não é “imputável pessoalmente qualquer falha”.

Numa nota publicada no sítio oficial da Presidência da República na Internet, depois de António Costa anunciar a decisão de não aceitar o pedido de demissão de João Galamba, o Presidente da República assumiu uma discordância em relação ao primeiro-ministro “quanto à leitura política dos factos" que o levaram a manter João Galamba "no que respeita ao prestígio das instituições”.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    03 mai, 2023 Lisboa 15:25
    Ganhou o primeiro assalto, mas perdeu a guerra. Depois do teatro combinado de ontem, agora todos sabem que está mais preocupado com manter o Poder até saltar para Bruxelas, que preocupado com o País, embora diga o contrário. Quando o tal assessor - se não tiver sido "comprado" entretanto - abrir o livro na comissão de inquérito, o Montenegro ou outro qualquer repor o PSD como alternativa, ou o Marcelo imitar o Soares em "presidências abertas" a percorrer os pontos do País onde a lenga-lenga xuxa não pega e incitar as pessoas a votarem diferente, a queda será inevitável. E aí, para o PS, a travessia do deserto, começará.
  • Americo
    03 mai, 2023 Leiria 11:38
    “Ontem foi ontem, hoje é um novo dia. Olhe para o céu, está tão bonito” ´. Faz de nós todos Portugueses uns idiotas. A escola de Sócrates no seu esplendor. O que vai sobrar para a História o período em que este sr. foi primeiro-ministro? O esbanjamento de recursos, a carga fiscal que há memória, a distribuição de cheques ( isto é que é politica fiscal, política social ?), a aceleração do empobrecimento ( somos ultrapassados em termos de perc apita) e continuamos todos "amorfos". É uma pena. Que País este ? Parece que só sabemos viver em ditadura. Sim, vivemos tempos de ditadura do medo. Sim, Costa e Salazar, cada vez parecem mais siameses. Espero que me engane para bem das gerações vindouras. Obrigado.
  • Sara
    03 mai, 2023 Lisboa 11:30
    Sr Antonio Costa, é muito bom estar no poder, estar a onde sonhou estar,mas não esqueça o seguinte, não tem pessoas de valor no seu governo, por que será que não tem pessoas de valor a trabalhar consigo, ninguém quis?está firme na sua posição por que desacreditar mais um ministro não ia parecer nada bem, força a continuar o seu trabalho, tudo pobre, portas abertas, insegurança a crescer, sem valores, acho que o ps nunca mais ganhar umas eleições....

Destaques V+