Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Adriano Moreira morre aos 100 anos. De ministro de Salazar à democracia, do CDS à academia

23 out, 2022 - 12:07 • Inês Braga Sampaio , com Lusa

O antigo deputado, o mais longevo político da história da Democracia portuguesa, teve um percurso dividido entre dois regimes. Foi ministro do Ultramar no Estado Novo, de 1961 a 1963, e presidente do CDS em democracia, de 1986 a 1988.

A+ / A-

Veja também:


Morreu Adriano Moreira, na manhã deste domingo, aos 100 anos, confirmou o CDS-PP, partido de que foi presidente. O ministro de Salazar durante o Estado Novo foi o político mais longevo da história da Democracia portuguesa e uma das figuras mais prestigiadas das últimas décadas.

Ex-membro do Conselho de Estado indicado pelo CDS-PP, Adriano Moreira teve um percurso académico e político dividido entre dois regimes: foi ministro do Ultramar no Estado Novo, de 1961 a 1963, e presidente do Centro Democrático e Social (CDS) em democracia, de 1986 a 1988. Foi deputado entre 1980 e 1995.

Adriano José Alves Moreira nasceu em Grijó, Macedo de Cavaleiros, a 6 de setembro de 1922. Estudou no Liceu Passos Manuel e licenciou-se em Ciências Histórico-Jurídicas pela Faculdade de Direito de Lisboa, em 1944. Recém-formado, começou a exercer a advocacia e o seu envolvimento num processo contra o então ministro da Guerra, Fernando dos Santos Costa, valeu-lhe uma detenção.

No Aljube, de onde foi libertado passados cerca de dois meses, conheceu Mário Soares: "Até então, só o conhecia de nome. Era um jovem que muita gente apreciava, porque tinha uma certa alegria e também porque era muito determinado e consistente para a idade. Mas defendíamos posições inteiramente contrárias", relatou, citado pela Visão, em 1995.

Mais tarde, ingressou no corpo docente da antiga Escola Superior Colonial, que passaria a Instituto Superior de Estudos Ultramarinos - o atual Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas (ISCSP), pelo qual se doutorou e que, com a sua intervenção, seria integrado na Universidade Técnica de Lisboa. Enquanto professor universitário, publicou dezenas de obras.

Do Estado Novo à Democracia

Entre 1957 e 1959, Adriano Moreira fez parte da delegação portuguesa às Nações Unidas. António de Oliveira Salazar chamou-o então para o Governo, primeiro para subsecretário de Estado da Administração Ultramarina, em 1960, e depois para ministro do Ultramar, em 1961.

Segundo o próprio Adriano Moreira, Salazar convidou-o para que pusesse em prática um conjunto de reformas de que falava nas suas aulas, mas posteriormente pediu-lhe para mudar de política e a sua resposta foi: "Vossa excelência acaba de mudar de ministro".

"Fui ministro de Salazar, mas fui o ministro que fui: revoguei o Estatuto do Indigenato e aboli as culturas obrigatórias nas colónias", disse ao Expresso, em 1983.

Quando deixou o Governo, em 1963, voltou ao ensino e casou-se em 1968 com Mónica Isabel Lima Mayer, com quem teve seis filhos, António, Mónica, Nuno, Isabel, João e Teresa. Foi presidente da Sociedade de Geografia.

Após o 25 de Abril de 1974, Adriano Moreira foi saneado das funções oficiais e esteve exilado no Brasil, onde foi professor na Universidade Católica do Rio de Janeiro.

Em 1980, regressou à política ativa, como candidato a deputado nas listas da Aliança Democrática (AD). Filiou-se no CDS, que acabaria por liderar, entre 1986 e 1988, e continuou deputado até 1995.

Em junho deste ano, Adriano Moreira foi condecorado pelo Presidente da República com a Grã-Cruz da Ordem de Camões.

As "muitas facetas" do pai Adriano

Por ocasião do centenário, a mais mediática descendente de Adriano Moreira, Isabel, a quarta dos seis filhos do professor e dirigente político, disse à Renascença que "é difícil descrever em palavras" o significado desta "data fortíssima".

"É um século de vida de uma pessoa que abraçou décadas impressionantes da nossa história, mas que, ao mesmo tempo, é o nosso pai. Portanto, é um misto de emoções enorme", confessa.

A deputada do PS diz-se feliz por assistir ao reconhecimento recente das "muitas facetas" do pai: "Na vertente política, na vertente universitária, na vertente de pensador..."

"Claro que as conhecemos, mas, vendo-as revisitadas, de uma forma aprofundada e de uma maneira tão acarinhada, é, de facto, muito emocionante."

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ze
    23 out, 2022 aldeia 18:04
    Um Homem que Portugal perdeu.Paz á sua alma e condeolências para a sua familia.
  • Nelson Lopes
    23 out, 2022 SAMORA CORREIA 12:21
    Portugal perde um dos mais lúcidos pensadores, um homem bom, um cristão de atos e um ser com uma educação e um saber ser e estar invulgares.A sua caminhada pela vida fez-se de uma notável missão com empenho, humildade, conhecimento e humanismo. Numa partilha permanente com os mais novos e com os mais frágeis. Adriano Moreira passou algum do seu tempo no concelho de Benavente onde adquiriu um monte para descansar e preparar os seus desafios. Guardo a imagem da sua finura de trato e educação quando se cruzava com qualquer pessoa, fosse na rua ou na Igreja, onde foi presença assídua dando forma à sua vivência cristã.

Destaques V+