Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Costa anuncia acordo com o Reino Unido para "relançar a mais antiga aliança mundial"

13 jun, 2022 - 13:50 • António Fernandes, correspondente em Londres, com redação

A proteção dos portugueses residentes no Reino Unido e dos britânicos em Portugal foi um dos entendimentos destacados por António Costa no final do encontro com Boris Johnson, em Downing Street.

A+ / A-

O primeiro-ministro, António Costa, esteve hoje reunido com o homólogo britânico Boris Johnson, em Londres. No final, anunciou "acordo chapéu" pós-Brexit entre Portugal e o Reino Unido.

O entendimento abrange várias áreas, como defesa, segurança, a investigação, a educação, investimento, comércio, tecnologias, energias renováveis, transição digital, entre outros.

A proteção dos portugueses residentes no Reino Unido e dos britânicos em Portugal foi outro dos entendimentos destacados por António Costa, em declarações aos jornalistas, no final do encontro com Boris Johnson, em Downing Street.

"Assinámos esta declaração conjunta que é fundamental para, depois do Brexit, relançarmos a mais antiga aliança mundial", declarou António Costa, que retomou esta segunda-feira a agenda oficial após recuperar de doença.

O primeiro-ministro considera que este é talvez o acordo mais abrangente assinado até agora entre o Reino Unido e países da União Europeia.

Questionado sobre se o acordo bilateral vai, por exemplo, facilitar a obtenção de vistos para investigadores portugueses que queiram ir para o Reino Unido, António Costa responde que há várias matérias que são negociadas entre Londres e a Comissão Europeia.

"Este é um acordo chapéu, que organiza as relações bilaterais entre Portugal e o Reino Unido. As outras matérias que são objeto da relação entre o Reino Unido e a União Europeia, nós atribuímos mandato à Comissão Europeia para negociar diretamente, todo o apoio a essa negociação, mas não é possível ultrapassar a negociação que não é fácil entre o Reino Unido e a UE. Bilateralmente, identificámos as áreas que devem ser estratégicas para o desenvolvimento", sublinhou o primeiro-ministro, destacando a área dos oceanos, por exemplo.

António Costa adiantou que, apesar da agenda apertada, Boris Johnson poderá deslocar-se a Lisboa para participar na Cimeira dos Oceanos das Nações Unidas.

“Há uma hipótese muito séria de Boris Johnson poder ir à Conferência dos Oceanos das Nações Unidas [entre 27 de junho e 1 de julho], em Lisboa, embora calhe entre a reunião do G7 e a Cimeira da NATO”, em Madrid, declarou o primeiro-ministro português.

O chefe do Governo foi também questionado sobre os problemas nos serviços de urgência do Serviço Nacional de Saúde.

António Costa começou por referir que, por regra, não fala de temas nacionais no estrangeiro, "mesmo quando são problemas graves”, mas adiantou que o Governo está a trabalhar para encontrar soluções.

A ministra da Saúde reúne-se esta segunda-feira, de emergência, com as administrações regionais de saúde e a Ordem dos Médicos. Marta Temido tenta encontrar soluções para os problemas que levaram ao encerramento de várias urgências, sobretudo de obstetrícia, um pouco por todo o país.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • João Valerio
    14 jun, 2022 Manchester 00:09
    Uma aliança que só é lembrada do lado Português. Não encontrei uma uma única referência a este acordo nos principais sites de notícias britânicos - quanto a aliança, quase ninguém neste país sabe dela.Até os detalhes deste acordo são poucos. Muita fanfarra para pouco ou nada.

Destaques V+