Tempo
|
A+ / A-

Chega. "Conseguimos que a extrema-esquerda seja afastada para um cantinho no Parlamento"

30 jan, 2022 - 20:18 • João Carlos Malta

O scertário-geral do Chega, Pedro Pinto, feliz por o resultado dos partidos à esquerda do PS ter perdido expressão nestas eleições.

A+ / A-

Veja também:


O Chega, que é o partido mais bem colocado para ser a terceira força política nas eleições legislativas, já reagiu às projeções das televisões que no máximo dão 8,5% e um grupo parlamentar de 13 deputados.

"Conseguimos que a extrema-esquerda seja afastada para o sítio onde merece, um cantinho no Parlamento", disse o secretário-geral do Chega, Pedro Pinto.

"Sentíamos na rua que era isso que ia acontecer", acrescentou.

Pinto afirmou ainda que “qualquer uma das projeções dá um Chega consolidado, no terceiro lugar e esperamos e vamos aguardar que isso aconteça”.

Caso seja isso a acontecer, “o objetivo será conseguido”.

O mesmo secretário-geral do Chega disse que "não haverá governo de direita sem o Chega".

Pedro Pinto mostrou-se cauteloso com os resultados finais, uma vez que “margem de erro é muito grande”, e disse que o Chega acredita sempre até ao fim porque "a dois anos, o André Ventura foi eleito à última".

Minutos depois, o líder do Chega, André Ventura, chegava à sede de campanha e falava numa noite boa para o Chega, mas com uma "má notícia" para Portugal: a vitória do PS.

"Somos a terceira força política, com mais de 7%. Menos positivo, António Costa renovará maioria para poder governar. Temos uma boa e má notícia", declarou André Ventura.

As primeiras sondagens das televisões são uma vitória ao PS e que poderá inclusive alcançar a maioria absoluta. O PSD aparece em segundo lugar. O Chega deverá ser o terceiro partido mais votado. O PAN e o CDS podem não eleger deputados.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+