Tempo
|
A+ / A-

Rui Rio recandidata-se à liderança do PSD

19 out, 2021 - 14:44 • Ricardo Vieira

Líder social-democrata vai defrontar o eurodeputado Paulo Rangel, nas eleições diretas marcadas para 4 de dezembro. "Rui Rio não é homem para desistir de lutar pelo PSD", refere comunicado assinado por Salvador Malheiro.

A+ / A-

O presidente do PSD, Rui Rio, recandidata-se à liderança do partido, foi esta terça-feira anunciado.

A confirmação da recandidatura foi avançada num comunicado assinado por Salvador Malheiro, diretor da campanha de recandidatura de Rui Rio.

"Depois de uma reflexão aprofundada sobre a situação política do país e atendendo aos recentes resultados das últimas eleições autárquicas e da incompreensível instabilidade e divisões internas, entretanto geradas no PSD, o Presidente Rui Rio, decidiu recandidatar-se à liderança do Partido Social Democrata", refere o comunicado.

Rui Rio vai medir forças com o eurodeputado Paulo Rangel, que anunciou a sua candidatura na semana passada.

"Com esta sua decisão, tomada no devido tempo, de forma serena e responsável, e sem qualquer preocupação de ordem tática, Rui Rio entende, como sempre tem entendido ao longo da sua vida pública, que o interesse de Portugal tem de estar acima daquilo que possa ser a tranquilidade da sua própria vida pessoal", sublinha o comunicado.

Rui Rio avança para a recandidatura "depois das múltiplas e desnecessárias dificuldades que, para tal, teve de ultrapassar", apesar dos "êxitos políticos que o PSD conseguiu, quer no continente, quer nas Regiões Autónomas", refere a mesma nota.

Neste contexto, seria "compreensível a tentação de não continuar. Mas, tal como sempre, Rui Rio não é homem para desistir de lutar pelo PSD e, acima de tudo, por Portugal", pode ler-se.

Rui Rio fará a apresentação pública formal da sua recandidatura em data a anunciar.

As eleições para a liderança do PSD estão marcadas para o dia 4 de dezembro, apesar de o líder do PSD ter tentado adiar o processo devido à possibilidade de eleições legislativas antecipadas se a proposta de Orçamento do Estado para 2022 for chumbada na Assembleia da República.

Em declarações à entrada para o Conselho Nacional da semana passada, Rui Rio criticou o que disse ser "um assalto ao poder" por parte dos seus opositores internos, agora que o PSD "está a crescer".

"Depois de uma vitória política nas autárquicas", os seus críticos, num espaço de 15 dias, querem "tentar destruir tudo o que o partido conseguiu", atirou o líder social-democrata.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    19 out, 2021 Lisboa 20:52
    Bastaram ouvir os primeiros discursos de Rangel, para se ver que ele é muito mais direto e assertivo que o amorfo inofensivo Rui Rio. Pelo menos Costa, perante a hipótese de o adversário nas Legislativas ser Rangel e não o "amigo" Rui Rio, já não sorri tanto. Em 4 de Dezembro os militantes do PSD vão decidir se querem ir a jogo em 2023 com Rangel e tentar o Ouro, ou se preferem continuar a apanhar bonés, com Rui Rio (derrotado em todas as Eleições que teve desde que lá está, até agora).

Destaques V+