Tempo
|
A+ / A-

Vacinas

Covid-19. Marcelo concorda com Costa sobre falta de poderes da EMA nas vacinas

10 abr, 2021 - 20:14 • Lusa

O Presidente da República referiu que irá ouvir os partidos na terça-feira, depois da reunião com os especialistas no Infarmed sobre a situação da pandemia em Portugal.

A+ / A-

Veja também:


O Presidente da República concordou este sábado com o primeiro-ministro sobre a necessidade de a Agência Europeia de Medicamento (EMA) ter mais poder para que cada estado não tenha uma posição diferente sobre vacinas contra a covid-19.

À margem da inauguração da Casa Memória Joana Luísa e Sebastião da Gama, em Azeitão, no distrito de Setúbal, Marcelo Rebelo de Sousa foi questionado pelos jornalistas sobre a pandemia de covid-19 em Portugal e se o facto de o Rt (índice de transmissibilidade) estar a subir o preocupava.

“Preocupa-me aquilo que preocupa o senhor primeiro-ministro [António Costa] também, que é a entidade reguladora dos medicamentos a nível europeu não ter mais poder de tal forma que se não verifique aquilo que se verifica que é cada estado europeu ter uma posição diferente sobre as vacinas”, respondeu.

Na perspetiva do Presidente da República, “se há uma entidade europeia encarregada de regular o medicamento”, quando esta emite uma posição “é de supor que isso abrange todos os países que integram a União Europeia”.

“Porque eu imagino a perturbação que é para os europeus, todos e também para os portugueses, terem decisões diferentes no espaço de 24 horas, uma europeia e outra nacional e várias nacionais diferentes entre si. Isso preocupa o senhor primeiro-ministro, preocupa-me a mim”, disse.

Na sexta-feira, o primeiro-ministro lamentou a ausência de uma posição comum europeia sobre a vacina da AstraZeneca, defendeu poderes reforçados para a Agência Europeia do Medicamento e advertiu que não se deve colocar em causa a vacinação.

No entanto, há algo que não preocupa Marcelo Rebelo de Sousa, que é o número de internados e de internados em cuidados intensivos.

“E apesar de tudo preocupa-me o número de mortos, mas é um número que está longe dos números verificados há semanas ou meses atrás”, acrescentou.

Sobre a covid-19, o próximo passo de Marcelo Rebelo de Sousa é ouvir os especialistas e ouvir os partidos.

“Haverá uma reunião no Infarmed na terça-feira de manhã e durante a tarde, porventura o começo da noite de terça-feira, ouvirei todos os partidos com assento na Assembleia da República antes de enviar para o Governo o projeto de decreto, se for essa a decisão, receber o parecer do Governo e depois enviar para a Assembleia da República, se for essa a minha decisão, para poder ser debatido no dia seguinte na Assembleia da República”, detalhou.

Na quarta-feira, o chefe de Estado disse esperar que o estado de emergência termine no final de abril, após uma última renovação, e dê lugar a "uma boa onda".

Questionado sobre os dados da evolução da covid-19 em Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa reiterou que "abril é um mês decisivo" e realçou que "há uma parte que passa pelas pessoas, o que é que as pessoas fazem, o tipo de convívio que têm, a criação ou não de condições para que o desconfinamento seja suave e progressivo", sem "sobressaltos" indesejáveis.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+