Tempo
|
A+ / A-

Rio elogia Passos Coelho por dar nega a Ricardo Salgado, "o mais poderoso do país"

17 jul, 2020 - 17:41 • Lusa

“Não foi travar um criminoso foi travar alguém que tinha muito poder, um poderoso, e aí é que reside o ato que ele e que eu próprio na altura elogiei e não me cansarei de elogiar”, afirma o líder do PSD.

A+ / A-

Veja também:


Passos Coelho teve a coragem que dizer "não a um homem “poderoso”, devido à nega dada Ricardo Salgado em 2014, disse esta sexta-feira o presidente do PSD. Rui Rio considera que foi um "ato muito raro” na política portuguesa.

Rui Rio comentava os elogios feitos por militantes do PSD ao ex-presidente do partido Pedro Passos Coelho por o então primeiro-ministro ter recusado ajudar Ricardo Salgado em 2014, quando o banqueiro lhe foi pedir apoio para o BES através da Caixa Geral de Depósitos.

Em declarações aos jornalistas à margem de uma conferência promovida pela associação Youth Academy, em Vila Real, "muitos que fizeram elogios nem terão entendido bem a dimensão" do que, na altura, Passos fez.

“Porque eu ouço ligar isso à atual acusação dizendo que o então primeiro-ministro pegou num criminoso e evitou que o criminoso continuasse com o crime. Ora bom, se fosse isso que o doutor Passos Coelho tivesse feito não tinha valor praticamente nenhum, porque nós dizermos que não a um criminoso é a nossa obrigação”, afirmou o líder do PSD.

E continuou: “o doutor Passos Coelho nem sabia se o doutor Ricardo Salgado era criminoso ou não, ainda hoje nós suspeitamos, mas não temos a situação transitada em julgado”.

O que o então primeiro-ministro fez, na opinião de Rui Rio, “foi uma coisa completamente diferente, que as pessoas ainda nem conseguiram avaliar”.

“Não foi travar um criminoso foi travar alguém que tinha muito poder, um poderoso, e aí é que reside o ato que ele e que eu próprio na altura elogiei e não me cansarei de elogiar”, sublinhou.

E este foi, frisou, um ato que gosta “muito” e que condiz muito com a sua “própria maneira de ser”, ou seja, “ele teve a coragem de dizer não a um poderoso, talvez ao maior poderoso do país”,

“Não foi travar um criminoso, as pessoas ao elogiá-lo dessa forma até estão a desvalorizar o que ele próprio fez, não. Ele disse que não a alguém que era talvez a pessoa mais poderosa de Portugal. Se era criminoso ou não ninguém sabia e ainda hoje não o podemos afirmar assim”, reiterou.

E é este a ato que deve, na sua opinião, ser “evidenciado e relevado”.

“E é isto que é muito raro, muito raro, na política portuguesa, é ter a coragem de dizer que não a quem é poderoso, principalmente a quem era o mais poderoso, assim sim, estamos a valorizar aquilo que foi feito”, frisou.

O ex-banqueiro Ricardo Salgado foi esta semana acusado de 65 crimes, incluindo associação criminosa, corrupção ativa no setor privado, burla qualificada, branqueamento de capitais e fraude fiscal, no processo BES/GES.

Ricardo Salgado foi acusado de um crime de associação criminosa, em coautoria com outros 11 arguidos, incluindo os antigos administradores do BES Amílcar Pires e Isabel Almeida.

Está também acusado da autoria de 12 crimes de corrupção ativa no setor privado e de 29 crimes de burla qualificada, em coautoria com outros arguidos, entre os quais José Manuel Espírito Santo e Francisco Machado da Cruz.

O Ministério Público acusou ainda o ex-líder do BES de infidelidade, manipulação de mercado, sete crimes de branqueamento de capitais e oito de falsificação.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+