Tempo
|
A+ / A-

IX Congresso do Livre

Joacine, a "negra útil para a subvenção" do Livre que se mantém em jogo

18 jan, 2020 - 15:17 • Susana Madureira Martins

Para já, tudo na mesma. Não é este fim-de semana que o Congresso do Livre decide se retira a confiança política a Joacine Katar Moreira. As votações do primeiro dia mostraram um partido profundamente dividido. A próxima direção do partido decide tudo.​

A+ / A-

Sem política pura, sem ideologia à vista, mas com muitas emoções à mistura, gritos, pedidos de calma e até proclamações de amor ao Livre. Pode resumir-se assim o primeiro dia de Congresso do partido que está a decorrer em Lisboa e com uma manhã que assumiu um ritmo vertiginoso, de intervenções e votações de braço no ar.

Joacine Katar Moreira foi direta ao assunto. A actual direção do partido quer que a deputada renuncie ao mandato, pois ela não lhes faz a vontade em nome "das pessoas que votaram" no partido.

A assembleia, órgão máximo do Livre entre congressos, insiste na decisão e Joacine intervém e grita aos dirigentes "que isto é inadmíssivel, é mentira, mentira", atirando um "tenham "vergonha", apontando muitas vezes para os elementos da direcção sentados à frente do palco do Centro Cívico Edmundo Pedro, em Alvalade.

A isto juntou-se uma outra frase da deputada. Se a querem substituir no parlamento, Joacine lamenta, mas "elegeram uma mulher que gagueja muito bem, que nunca escondeu isso, elegeram uma mulher negra, que foi útil para a subvenção", arrancando muitas palmas nesta parte do discurso improvisado.

Foi o burburinho total na sala, a mesa do congresso a pedir calma à deputada, com os trabalhos a serem interrompidos para uma pausa de cinco minutos "até para ir à casa de banho".

"Tenham vergonha!". O momento em que Joacine se exalta contra liderança do Livre
"Tenham vergonha!". O momento em que Joacine se exalta contra liderança do Livre

As coisas acalmaram, de facto, mas depois sucederam-se as intervenções de dirigentes do Livre e de militantes de base que se inscreveram para tomar partido. Ou a favor ou contra Joacine. Ao longo deste período foi evidente a divisão entre os militantes.

A dirigente da Assembleia, Bárbara Tengarrinha foi sibilina ao dizer que "há casos em que a melhor terapia de casal é o divórcio", apoiando uma rutura entre o Livre e a deputada.

Renunciar ao mandato de deputada? Sim, "já devia ter renunciado" e devia ter sido "imediatamente", defendeu o militante Ricardo Dias, acrescentando que "trata-se da imagem da Assembleia da República", concluindo que "ela", ou seja, Joacine, "nunca foi independente do Livre", nem "consegue agregar o partido em torno de si".

Outros militantes pediram que "não se faça deste congresso um tribunal", o dirigente da assembleia Jorge Gravanita pediu que não seja usada a "arma atómica", ou seja, a retirada da confiança política à deputada, justificando que se trata de "um grave erro político e ético".

Joacine Katar Moreira não mais usou da palavra na tribuna e esteve sempre sentada a ouvir estas intervenções, a meio de uma sala à pinha e com muitos intervenientes a queixarem-se que nunca tiveram um congresso com tantos jornalistas a acompanhar os trabalhos.

Ao final da manhã, já perto do almoço, decorreram as votações, confusão total, contagem cabeça a cabeça, com pedidos permanentes de "mantenham os votos no ar" e os militantes a manter os braços ao alto com as cartolinas verdes com a papoila vermelha que é o símbolo do partido.

No final da votação, em que o que estava em causa era atirar ou não para depois do congresso a decisão de retirar a confiança política a Joacine, os militantes decidiram não decidir. Por apenas dois votos de diferença o congresso deixou para a próxima direção do partido a batata quente sobre o que fazer.

O que também dá um balão de oxigénio à deputada e a mantém em jogo - não se sabe é por quanto tempo.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Petervlg
    20 jan, 2020 Trofa 10:07
    Na maneira que esta Senhora fala, é uma verdadeira racista, fala dos negros com desdém. esqueceu-se é que Portugal é um pais que não olha a cor da pele e religião, para o povo Portugueses, somos todos iguais. Esta senhora faz distinção das pessoas
  • 19 jan, 2020 11:00
    Envergonhada! Isto mexe com os nervos!
  • 19 jan, 2020 10:59
    Parece que fiquei envorganhada!
  • Cidadao
    18 jan, 2020 Lisboa 16:28
    O "Livre" não é tão diferente assim, dos outros partidos. Quando há problemas sérios, também "empurra com a barriga" ...

Destaques V+