Tempo
|
A+ / A-

Arguidos da Operação Influencer ficam em liberdade

13 nov, 2023 - 15:50 • João Pedro Quesado

Caíram os crimes de corrupção e prevaricação. O Ministério Público tinha pedido prisão preventiva para Diogo Lacerda Machado e para Vítor Escária.

A+ / A-

Os cinco arguidos da Operação Influencer, que estavam detidos desde terça-feira da semana passada, ficam a aguardar o desenrolar do processo em liberdade. Segundo as medidas de coação, conhecidas esta segunda-feira, os arguidos não são suspeitos de corrupção nem de prevaricação, e Diogo Lacerda Machado e Vítor Escária ficam obrigados a não sair do país.

O juiz Nuno Dias e Costa decretou termos de identidade e residência para o presidente da Câmara de Sines, Nuno Mascarenhas, assim como para os administradores da Start Campus, Afonso Salema e Rui Oliveira Neves, acusados de dois crimes de tráfico de influência e oferta indevida de vantagem.

Já o ex-chefe do gabinete do primeiro-ministro, Vítor Escária, e o advogado Diogo Lacerda Machado, acusados de tráfico de influências, não podem sair de Portugal, e têm que entregar o passaporte no tribunal nas próximas 24 horas. No caso de Lacerda Machado, que António Costa rejeitou como amigo no sábado, foi ainda decretada uma caução de 150 mil euros, para pagar no prazo de 15 dias.

A Start Campus, empresa promotora do centro de dados em Sines, também é acusada de dois crimes de tráfico de influência e oferta indevida de vantagem, tem de pagar uma caução de 600 mil euros.

Ministério Público queria prisão preventiva

O Ministério Público tinha pedido prisão preventiva, a medida de coação mais gravosa, para Lacerda Machado e para Vítor Escária. No caso de Nuno Mascarenhas, presidente da Câmara Municipal de Sines, foi pedida a suspensão do mandato, assim como a proibição de entrar nas instalações da autarquia e a proibição de contactos.

Quanto aos administradores da Start Campus, Afonso Salema e Rui Oliveira Neves, o MP pediu cauções de 200 mil e 100 mil euros, respetivamente, conjuntamente com a proibição de contacto com todos os arguidos. Para a empresa Start Campus, que também é arguida, foi pedida uma caução de 19,5 milhões de euros.

Estes cinco arguidos foram detidos no âmbito do processo em curso. As alegações finais dos advogados e Ministério Público decorreram no domingo, após a conclusão dos interrogatórios.

No total, há nove arguidos na Operação Influencer. Entre eles está o ministro das Infraestruturas, João Galamba, o presidente da Agência Portuguesa do Ambiente, Nuno Lacasta, o advogado e antigo porta-voz do PS, João Tiago Silveira. Nestes casos, não foram feitas detenções.

O MP suspeita que foram cometidos crimes de prevaricação, corrupção ativa e passiva de titular de cargo político e tráfico de influências.

[atualizada às 16h19]

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ze
    13 nov, 2023 aldeia 18:09
    Afinal....são todos bons rapazes!........

Destaques V+