Tempo
|
A+ / A-

Incêndios

"Já não há chama ativa na Serra da Estrela", diz secretária de Estado da Proteção Civil

17 ago, 2022 - 09:42 • Redação

Esta manhã, mantinha-se ativa uma das frentes do incêndio, na zona de Belmonte. Pelas 10h00, estavam no terreno 1.245 operacionais, apoiados por 396 veículos e oito meios aéreos.

A+ / A-

A secretária de Estado da Proteção Civil, Patrícia Gaspar, informou esta quarta-feira de manhã ter recebido indicações de que "já não há chama ativa" na região da Serra da Estrela, depois de o ministro da Administração Interna ter alertado para uma nova onda de calor que irá atingir Portugal ainda esta semana, no final de uma reunião com responsáveis do Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

A informação foi depois confirmada pelo autarca de Belmonte, António Dias Rocha, que disse à Lusa que "agora, pela manhã, o incêndio já não tem a frente ativa como tinha":

“Não poderei dizer que o assunto está resolvido, mas, do que vejo da encosta, deve estar para ficar resolvido praticamente. Há uns focos aqui e ali que se veem, mas nada comparado com ontem."

Com o reforço dos meios aéreos de manhã, explicou o presidente da Câmara de Belmonte, a “esperança é a de que se comece a resolver ainda hoje, porque parece que a partir de amanhã [quinta-feira] já dá subida de temperatura novamente e o regresso do calor não é bom” para os incêndios.

Ao final da manhã, Orjais, na Covilhã, e Famalicão da Serra, no concelho da Guarda, eram os pontos quentes mais preocupantes do incêndio.

A indicação surge ao 12.º dia de um incêndio que deflagrou na madrugada de 6 de agosto em Garrocho, na Covilhã, distrito de Castelo Branco, e que atingiu os concelhos de Manteigas, Gouveia, Guarda e Celorico da Beira, no distrito da Guarda, consumindo pelo menos 24 mil hectares de território até agora.

Ao início da manhã, o Comandante Regional da Proteção Civil de Lisboa e Vale do Tejo, que comanda as operações no terreno, tinha informado que só uma das frentes de fogo, voltada da Covilhã para Belmonte, se mantinha ativa e preocupante, mantendo-se o risco de reacendimentos durante a tarde.

Pelas 10h00, segundo dados do site oficial da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC), estavam mobilizados no terreno 1.245 operacionais, apoiados por 396 veículos e oito meios aéreos.

[artigo atualizado às 11h30]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Americo
    17 ago, 2022 Leiria 10:32
    A sra ainda se mantem no cargo ?

Destaques V+