Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Portugal vai "entrar numa terceira vaga de calor" para a semana

17 ago, 2022 - 09:34 • João Cunha com redação

A subida das temperaturas acontece a partir deste fim de semana, mantendo-se o perigo de incêndios rurais.

A+ / A-

O ministro da Administração Interna revelou, esta quarta-feira, que Portugal vai “entrar numa terceira vaga de calor”, a partir de 20 de agosto.

"Vamos entrar numa terceira vaga de calor, a partir de dia 20, que se vai prolongar por setembro. Portanto, em setembro, vamos ter tempo em regra mais quente do que os setembros anteriores, entre 50 a 60%, e mais seco, entre 40 a 50%", revelou José Luís Carneiro depois de participar numa reunião na sede IPMA, em Lisboa, com a secretária de Estado da Proteção Civil, Patrícia Gaspar.

"Acho que isto diz tudo do risco acrescido que vamos ter ainda de enfrentar. Quando há dias disse que não podíamos baixar a guarda, era precisamente a este quadro que me estava a referir, por força da informação que vamos recebendo do IPMA", acrescentou.

Segundo o ministro, o Governo irá voltar a reunir-se com a Proteção Civil para analisar o dispositivo de combate aos incêndios, após semanas consecutivas a repor recursos humanos, materiais e técnicos.

Questionado sobre se esta terceira vaga será mais grave do que as anteriores, José Luís Carneiro negou. “Não, não se pode dizer isso. Pela informação que nos foi apresentada, a onda de calor mais critica foi mesmo a de julho. É possível verificar que o pior pico desta onda pode andar naquilo que correspondeu também a momentos mais críticos da segunda onda de calor.”

Estas previsões exigem “de todos nós um esforço acrescido e adicional. Portanto, o apelo à comunidade nacional para que se una como um todo para que consigamos vencer os desafios que temos pela frente”.

O MAI disse não excluir a hipótese de regresso à situação de alerta ou de contingência, tendo em conta as previsões meteorológicas para os próximos dias, que apontam para aumento das temperaturas.

José Luis Carneiro acrescentou ainda: “São cenários que temos de ter em cima da mesa para avaliação no quadro das decisões no âmbito da Autoridade nacional de Emergência e Proteção Civil”.

O ministro sublinhou que o país ainda não ultrapassou o período crítico de incêndios e que “todos os cuidados devem ser tomados por todos os cidadãos e por todos os responsáveis de todas as instituições”.

Para combater o fogo posto", o ministro lembrou que arrancou uma ação de campanha da GNR, em articulação com as Forças Armadas e com a Polícia Judiciária, “para reforçar o combate aos incendiários”.

Setembro mais quente e seco

O presidente do IPMA confirma que o país vai atravessar uma terceira onda de calor.

O problema do perigo de incêndio rural está ainda a meio da campanha. Passámos uma onda de calor de grande intensidade, uma segunda com menos intensidade e vamos passar por uma terceira provavelmente dentro de dias. Falta metade de agosto, setembro e não sabemos quantos dias de outubro”, explicou Jorge Miguel Miranda após uma reunião com o ministro da Administração Interna, a ministra da Agricultura e a secretária de Estado da Proteção Civil.

Acrescentou que as previsões não são positivas em termos de precipitação e que provavelmente “setembro será um pouco mais seco e um pouco mais quente” como têm sido os meses anteriores.

“Temos um sistema natural que está tremendamente fragilizado”, sublinhou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+