Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Sindicato acusa Governo de usar SEF como "bode expiatório para desculpar incompetência"

18 jun, 2022 - 14:17 • Marina Pimentel

Sindicato dos Inspetores de Investigação e Fiscalização do SEF responde à ameaça de demissões do ministro da Administração Interna após as aglomerações no Aeroporto da Portela.

A+ / A-

O Sindicato dos Inspetores de Investigação e Fiscalização (SCIF) do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) diz que a polícia fronteiriça não pode ser o "bode expiatório" de erros cometidos pelo Governo.

Em entrevista ao jornal "Público", o ministro da Administração Interna avisou que aglomerações, no Aeroporto da Portela, em Lisboa, como as que aconteceram na última segunda-feira não podem voltar a acontecer. Caso contrário, ameaçou, pedirá responsabilidades. o presidente do SCIF reage com indignação às declarações de José Luís Carneiro.

Em entrevista à Renascença, Ricardo Mendonça salienta que não se pode "colocar quatro ou cinco mil passageiros no espaço de uma hora num local onde só tem 16 pontos de passagem" e esperar bons resultados.

"Aquilo não é uma portagem. Estamos a falar de um controlo de segurança para perceber se as pessoas reúnem requisitos para poderem entrar em Portugal e na Europa. Fazer do SEF o bode expiatório para desculpar a incompetência que ingressou ao longo dos últimos anos, quer pela falta de meios humanos, quer pela falta de capacidade de se imporem perante os privados é a maneira mais fácil de o Governo escamotear qualquer tipo de responsabilidades", sublinha.

Fiscalização e investigação criminal "em suspenso"


O Sindicato alerta que a manta é curta. À medida que a tutela vai deslocando operacionais para as fronteiras aéreas, vai destapando "todo o trabalho do SEF de fiscalização e de investigação criminal" de crimes de tráfico de seres humanos, como os que aconteceram em Odemira.

"As pessoas que estão alocadas a essas funções estão a ser deslocadas para as fronteiras. Podemos praticamente dizer que, durante este período, tudo o que é fiscalização e investigação criminal vai ficar em suspenso no nosso país", adverte Ricardo Mendonça, presidente do SCIF.

Na segunda-feira, instalou-se o caos no Aeroporto da Portela, com longas filas de espera na zona das chegadas. O SEF argumentou que as as aglomerações refletem o aumento exponencial do turismo e uma infraestrutura desadequada para o número de passageiros.

Na entrevista deste sábado no "Público", o ministro da Administração Interna ameaçou com demissões no SEF se o caos se repetisse.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Jose
    18 jun, 2022 Tugaland 16:55
    O SEF não Vai ser extinction? Ameaças em vão so para consumo popular...

Destaques V+