Tempo
|
A+ / A-

Há 270 pré-avisos de greve. Saiba para quando estão agendados os protestos

20 mai, 2022 - 14:23 • Marta Grosso

Nos primeiros quatro meses do ano, os pré-avisos de greve comunicados ao Ministério do Trabalho aumentaram 85% face a igual período do ano passado. “Transportes e Armazenagem” e “Administração Pública e Defesa” são os setores mais afetados.

A+ / A-

Os próximos meses poderão ser de algum transtorno para quem usa os transportes públicos, mas este não será o único setor afetado pelas greves previstas.

Os 270 pré-avisos recebidos colocam em risco, por exemplo, o prolongamento habitual de horário no Metro durante os Santos Populares e no Rock in Rio, em Lisboa.

Mas, afinal, quais as greves previstas e em que dia?

Nesta sexta-feira, decorre uma paralisação promovida pela Frente Comum, a primeira ao nível nacional. Foram entregues pré-avisos para todos os setores, incluindo a saúde, estabelecimentos concessionados a IPSS e Misericórdias, além de forças de segurança e Forças Armadas.

Esta greve protesta contra os baixos aumentos salariais previstos, abaixo da inflação, e tem como ponto alto uma manifestação em Lisboa, ao início da tarde.

MAIO

  • Dia 23 de maio: comboios urbanos do Porto (greve parcial)

Vai decorrer entre as 5h00 e as 8h30 e foi convocada pelo Sindicato Ferroviário da Revisão Comercial Itinerante (SFRCI), que representa a maioria dos trabalhadores do serviço comercial e transporte.

Afeta revisores, trabalhadores das bilheteiras e respetivas chefias diretas.

  • Dia 25 de maio: Guardas Florestais
  • Dia 25 de maio: Greve parcial nos CTT
  • Dia 27 de maio: Metro e comboios urbanos de Lisboa (greve parcial)

Nos comboios, terá os mesmos horários que no Porto: entre as 5h00 e as 8h30.

No metro, o serviço será afetado entre as 5h00 e as 9h00. As carruagens só começarão a circular a partir das 9h30.

  • Dia 27 de maio: Ação de Luta Nacional (CGTP)

Prevista uma concentração junto ao Parlamento.

  • Dias 27, 28 e 29 de maio: técnicos de reinserção social das prisões

Os trabalhadores em protesto são técnicos profissionais de reinserção social (TPRS), técnicos superiores de reinserção social (TSRS) e técnicos superiores de reeducação (TSR), responsáveis pela elaboração de planos de reinserção, a vigilância eletrónica de presos, a monitorização de menores em centros educativos, reinserção na comunidade e reinserção dentro das cadeias.

Esta paralisação poderá vir a ser desconvocada se a reunião desta sexta-feira (20 de maio) com o secretário de Estado Adjunto e da Justiça, Jorge Costa, for bem sucedida.

Junho

  • Rodoviária de Lisboa: Os trabalhadores da Rodoviária de Lisboa (RL) cumprem, no dia 1 de junho, uma paralisação de 24 horas, com início às 3h00, para reivindicar melhorias salariais.

  • Metro de Lisboa. O Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes (SITRA) emitiu um pré-aviso de greve para junho, que pode colocar em risco o serviço alargado que costuma existir durante alguns eventos, como os Santos Populares e o Rock in Rio.

Junho é o mês das festas populares em Lisboa e, habitualmente, as Linhas Verde e Azul ficam com o seu horário estendido.

Nos fins de semana de 18/19 e 25/26, decorre o festival de música Rock in Rio e também é costume o metro estender o horário para a madrugada. Resta saber se as greves irão alterar estes serviços.

  • Trabalhadores das logísticas Worten em greve, no dia 3 de junho.
  • Greve de trabalhadores da empresa Portway Handling de Portugal a 4, 11, 12, 24 e 25 de junho. Paralisação foi convocada pelo Sindicato dos Trabalhadores dos Aeroportos Manutenção e Aviação (STAMA).
  • Os trabalhadores da Empresa Municipal de Estacionamento de Lisboa (EMEL) equacionam realizar uma greve de 24 horas no dia 9 de junho.
  • Os trabalhadores da Transtejo decidiram realizar uma greve nos dias 11 e 12 de Junho, para exigirem a reposição do poder de compra e a valorização dos salários.
  • Trabalhadores da Soflusa em greve nos dias 12 e 13 de junho.
  • Greve parcial dos trabalhadores da Atlantic-Ferries/Sonae, que garante a ligação Setúbal-Troia, nos dias 11 e 12 de junho. A paralisação por melhores salários será de duas horas por turno: entre as 10h30 as 12h30, das 17h00 às 19h00 e das 22h30 às 00h30.
  • Ryanair: Não há datas previstas, mas os tripulantes europeus estão descontentes e avisam que, se as condições laborais não melhorarem, haverá paralisações em junho – o que afetará Portugal, Espanha, França e Bélgica.

“Os sindicatos que representam as tripulações de cabine da Ryanair não vão hesitar em avançar com uma ação europeia este verão e avançar com greves caso não haja uma resposta por parte da empresa”, diz a nota.

JULHO

  • Greve de trabalhadores da empresa Portway Handling de Portugal a 2, 16 e 30 de julho.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António dos Santos
    20 mai, 2022 Coimbra 15:45
    É muito interessante os dias escolhidos para a greve na área pública a maioria é às sextas-feiras e a seguir à segunda. As greves são sempre um prolongamento de fim de semana!!! Não vejo os trabalhadores públicos pedirem que a tabela salarial não seja aplicada de maneira generalizada, bem como os aumentos. Pois mais de 70% dos funcionários do estado não cumprem os mínimos, para receberem o que recebem. Esta maioria é ladra da minoria que trabalha e dá mais que o litro. Mas os sindicatos, o PCP e outros não gostam desta verdade, porque e a génese dos seus elementos.

Destaques V+