Tempo
|
A+ / A-

Reitora da Católica discorda de ministro. Formação de médicos de família devia ser "mais profunda"

13 set, 2021 - 08:06 • Miguel Coelho , Olímpia Mairos

Em entrevista à Renascença, a reitora da Universidade Católica Portuguesa, Isabel Capeloa Gil, sublinha que a faculdade de medicina é um sonho, mas um projeto de missão da universidade.

A+ / A-

Veja também:


A reitora da Universidade Católica admite que o ministro do Ensino Superior não foi feliz, quando disse que os médicos de família poderiam ter uma formação menos exigente. Isabel Capeloa Gil acompanha, por isso, as críticas feitas a Manuel Heitor e diz que todos têm maus dias, reconhecendo que não foi o melhor momento do ministro.

“Maus dias todos tem. Há sempre momentos em que as coisas saem melhor ou pior. Talvez não tenha sido o seu melhor momento”, diz a reitora em entrevista à Renascença.

Isabel Capeloa Gil entende que “os médicos de família são a primeira face do contacto, quando sentimos que temos necessidade de apoio médico”, por isso, “são os médicos de primeira linha e têm que ter uma formação profunda, alargada, se calhar até mais profunda e com maior complexidade do que a formação do especialista”.

Manuel Heitor garantiu, na sexta-feira, que as suas declarações ao Diário de Notícias foram deturpadas e assegurou que, em momento algum, defendeu que a formação dos médicos de família não necessita de ter a mesma duração que outras especialidades.

Medicina na Católica. Ensino centrado nos valores

A reitora da Universidade Católica Portuguesa, Isabel Capeloa Gil, explicou, em entrevista à Renascença, o que distingue o curso da Faculdade de Medicina da Universidade Católica de outros cursos de outras universidades.

“Há três pontos essenciais que distinguem este curso”, disse Capeloa Gil, explicando que "o primeiro tem a ver com a posição, marca e missão. Um ensino centrado nos valores, de base humanística, com uma fortíssima componente ética e que, no fundo, se reflete também nas outras formações que a universidade tem vindo a dar ao longo da sua vida”.


Em segundo lugar, acrescenta a reitora da Católica, “é a primeira faculdade de medicina criada em Portugal, no século XXI, já em momento de transformação digital e, portanto, essa infraestrutura digital de formação do médico apoiado em instrumentos tecnológicos altamente qualificados estará disponível para estes alunos”.

A reitora da Universidade Católica, refere também que se trata de ter “um corpo académico e um corpo clínico jovem, mas de excelência, altamente qualificado, formado nas melhores universidades portuguesas e internacionais e com um lastro fortemente cosmopolita”.

Um sonho, um projeto de missão

A faculdade de medicina é “um sonho, mas é um projeto de missão da universidade”, afirma Capeloa Gil, recordando que que foi D. José Policarpo o primeiro reitor a pensar e a delinear a estratégia para a sua criação.

Sobre as muitas críticas da Ordem dos Médicos à criação da faculdade de medicina, a reitora da Universidade Católica assume que não a preocupam.

“Não me preocupa, porque o posicionamento da faculdade e da universidade é que vamos demonstrar obviamente a qualidade da formação e estamos aqui para colaborar com todos, com as escolas médicas e com a ordem”, afirma.

Neste contexto, a reitora da Universidade Católica recorda que “todos os cursos de medicina criados em Portugal”, desde há 20 anos para cá, todos “tiveram a oposição da ordem”.

“Há de certa forma um posicionamento corporativo que tem numa fase inicial, ou por prudência ou por proteção da profissão ou do acesso à profissão, sido estrategicamente antagonista à criação de novas escolas”, lembra a reitora.

A reitora da Universidade Católica Portuguesa esteve na Renascença para falar sobre o novo curso de Medicina que começa na terça-feira.

O curso tem sido recebido com críticas e algum ceticismo por figuras do mundo da classe profissional em Portugal, que dizem que já há excesso de médicos no país, mas o diretor do curso, António Medina de Almeida já respondeu, também em entrevista à Renascença, dizendo que não pensa ser essa a realidade.

O curso de Medicina da Universidade Católica é o primeiro a abrir numa universidade privada em Portugal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joao
    15 set, 2021 Lisboa 22:48
    Quando os vossos familiares morrerem nas urgências por receberem tratamento de médicos sem a formação adequada, lembrem-se deste momento. Mas não chorem: vocês cavaram o próprio buraco. Há excesso de médicos, não há capacidade de especializar todos. Vamos agravar o problema com mais faculdades. As condições no SNS são horríveis, os médicos especialistas emigram ou vão para o privado e os indiferenciados tomam conta do recado. E como um avião conduzido por alguém sem qualquer treino prático. Voariam nele?
  • Bruno
    13 set, 2021 aqui 16:36
    Não há vagas para a especialidade para tantos médicos. Vai-se criar um monte de médicos indiferenciados para serem explorados por empresas de trabalho temporário para fazer urgências no SNS a recibos verdes.
  • Ivo Pestana
    13 set, 2021 Funchal 13:17
    Nos cursos de medicina é preciso incutir nos alunos, que muitos portugueses não têm dinheiro. E fico por aqui.
  • ManuelRodrigues
    13 set, 2021 Moscavide 10:57
    O sr Guimarães é corporativista e de direita e nem pode nem deve travar a formação de médicos que tanta falta fazem ao país. Falta de médicos deve-se precisamente ao facto de a ordem ter esta visao para a formação de novos. Já há médicos a mais só que não os vemos.

Destaques V+