Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Cimeira em Vilnius

“Melhor garantia para a Ucrânia é estar na NATO”, diz Zelensky após cimeira

12 jul, 2023 - 13:52 • João Pedro Quesado

A Ucrânia “já está pronta para aderir” à Aliança Atlântica, diz o Presidente da Ucrânia, para quem o acesso a bombas de fragmentação é uma questão de “justiça”.

A+ / A-

O Presidente ucraniano acredita que a melhor garantia de segurança para a Ucrânia “é estar na NATO”. Nesta quarta-feira, o último dia da cimeira da Aliança Atlântica em Vilnius, Volodymyr Zelensky reuniu com os aliados no recém-aprovado Conselho NATO-Ucrânia, e disse esperar que o país seja convidado a aderir quando o seu território estiver seguro.

Numa conferência de imprensa antes da reunião do novo Conselho, Zelensky elogiou a decisão da NATO em facilitar o caminho de adesão da Ucrânia à Aliança, mas manteve o tom dos últimos dias, em que tornou claro que esperava um caminho mais claro e rápido para integrar a NATO.

Para o líder ucraniano, apesar das garantias de segurança dadas pelos 31 aliados serem “um sinal importante” de que o país eventualmente se vai juntar à NATO, “a melhor garantia para a Ucrânia é estar na NATO”.

“Não vemos nenhum Estado-membro da NATO em guerra neste momento, com mortes, sofrimento, a defender o seu próprio país”, acrescentou Zelensky, afirmando que espera que a Ucrânia receba um convite formal para integrar a Aliança quando o território do país estiver seguro.

Zelensky diz que a Ucrânia “já está pronta para aderir” à Aliança Atlântica - “queremos que se perceba isso”, sublinhou -, e apontou ao facto que os militares ucranianos “conseguem usar as armas” fornecidas pela NATO, assim como o caminho de reformas “dentro daquilo que é a nossa unificação com a União Europeia”.

"Estamos a fazer tudo aquilo que vocês nos pedem”, rematou o Presidente ucraniano, que agradeceu aos líderes da NATO que disponibilizaram os novos apoios, integrados no novo pacote de defesa, anunciado esta terça-feira por Jens Stoltenberg, secretário-geral da Aliança.

“Acima de tudo queremos segurança. Talvez hoje as garantias de segurança com a NATO possam ser confirmadas pelo G7 (…) Os resultados da cimeira são bons, mas se fôssemos convidados a aderir seriam ainda melhores”, insistiu Zelensky.

Acesso a bombas de fragmentação é “justiça”

Ao lado de Stoltenberg, Volodymyr Zelensky também abordou o assunto da disponibilização, pelos Estados Unidos da América, de bombas de fragmentação. “Tem de haver justiça”, disse o líder da Ucrânia, já que a Rússia também usa este tipo de munição.

O Presidente da nação invadida pela Rússia reconheceu que “há pessoas que não partilham deste apoio”, mas insistiu que o tema seja olhado “de uma perspetiva de justiça”.

“A Rússia utilizou sempre estas munições nos nossos territórios, estão a matar as nossas pessoas com elas, no nosso território que ocuparam”, disse Zelensky, prometeu que estas bombas apenas seriam utilizadas "contra militares" da Rússia dentro do território ocupado da Ucrânia.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+