A+ / A-

Comissão Europeia

Suspensão do gás russo "não é surpresa". UE acelera rumo à independência energética

03 set, 2022 - 10:52

O presidente da Comissão Europeia garante que os 27 Estados-membro continuarão a defender a independência da Ucrânia.

A+ / A-

O presidente do Conselho Europeu (CE) garante que o uso do gás russo como arma não vai mudar a determinação da União Europeia (UE).

Em publicação no Twitter, Charles Michel assume que não ficou surpreendido com a suspensão do abastecimento do gás por parte da Rússia, ao contrário do que fora inicialmente anunciado pela Gazprom.

"A jogada da Gazprom não é surpresa, infelizmente. O uso do gás como arma não afetará a determinação da UE. Aceleraremos o nosso caminho rumo à independência energética. O nosso dever é proteger os nossos cidadãos e apoiar a independência da Ucrânia", escreveu o líder.

A Gazprom deveria retomar a distribuição este sábado, mas acabou por não o fazer devido a uma alegada fuga de petróleo detetada durante a manutenção. No Telegram, a companhia russa revelou a existência de falhas na estação de compressão de Portovaya, na Rússia.

A inspeção, realizada pela Gazprom e por técnicos da alemã Siemens, detetou várias fugas de óleo, que "não permitem uma operação segura e sem problemas do motor da turbina de gás", segundo os russos.

Segundo a Gazprom, este problema só pode ser resolvido em "oficinas especializadas", que a Rússia diz estarem a ser afetadas pelas sanções económicas do Ocidente. As avarias identificadas foram comunicadas numa carta enviada ao presidente da Siemens, Christian Bruch.

O transporte de gás continuará interrompido até que as fugas de óleo sejam totalmente eliminadas. A Gazprom não prevê data específica.

A Comissão Europeia acusou a Rússia de "cinismo" e de utilizar "falsos pretextos" para justificar a suspensão total do fluxo de gás.

Há quem aponte esta suspensão do gasoduto como uma retaliação da Rússia às intenções recentes dos países do G7 em colocar um teto máximo ao preço do petróleo russo. Esta medida juntar-se-ia ao novo lote de sanções previstas pela União Europeia, que inclui a proibição de importação de petróleo russo por via marítima a partir de dezembro.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    03 set, 2022 Lisboa 11:23
    Avancem com fornecedores alternativos, com terminais para gás liquefeito, construam a ligação Península Ibérica - Centro da Europa indo pela Itália e deixando a França a ver navios, apressem ao máximo as renováveis, suspendam todos os planos para encerrar nucleares e se necessário, reativem as térmicas a carvão que estão paradas mas podem ser reativadas, como solução transitória. E mandem a Rússia para aquela parte...

Destaques V+