Tempo
|
A+ / A-

​ONU vai investigar alegados crimes de guerra na Ucrânia

12 mai, 2022 - 16:53 • Ricardo Vieira, com agências

A moção foi aprovada no conselho dos direitos humanos com 33 votos a favor, 12 abstenções e os votos contra da China e da Eritreia.

A+ / A-

Veja também:


O conselho dos direitos humanos da ONU aprovou, esta quinta-feira, a investigação de alegados abusos cometidos por militares russos durante a guerra na Ucrânia.

A moção foi aprovada com 33 votos a favor, 12 abstenções e os votos contra da China e da Eritreia.

Numa sessão de emergência realizada em Genebra, na Suíça, o conselho dos direitos humanos das Nações Unidas ouviu acusações de crimes de guerra, como execuções de civis, violações, tortura e desaparecimentos forçados.

A Rússia foi suspensa recentemente do conselho dos direitos humanos das Nações Unidas e optou por não integrar aquele órgão como observador.

Na quarta-feira, a procuradora-geral da Ucrânia, Iryna Venediktova, anunciou que um comandante do exército russo capturado será o primeiro membro das Forças Armadas de Moscovo a ser julgado por crimes de guerra em território ucraniano.

Vadim Shishimarin, comandante da unidade 32010 da 4.ª Divisão Blindada da Guarda Kantemirovskaya, da região de Moscovo, sentar-se-á no banco dos réus pelo alegado assassínio de um civil na região de Sumy, no nordeste da Ucrânia, escreveu a procuradora-geral na sua conta da rede social Facebook.

Segundo a investigação do Ministério Público, a 28 de fevereiro, Shishimarin, de 21 anos, matou um homem desarmado que seguia de bicicleta pela estrada na localidade de Chupajivka.

A Rússia iniciou na madrugada de 24 de fevereiro uma ofensiva na Ucrânia que causou já a fuga de mais de 13 milhões de pessoas de suas casas - mais de oito milhões de deslocados internos e mais de 5,6 milhões para os países vizinhos -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

Também segundo as Nações Unidas, cerca de 13 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária na Ucrânia.

A invasão russa - justificada pelo Presidente russo, Vladimir Putin, com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que respondeu com o envio de armamento para a Ucrânia e a imposição à Rússia de sanções que atingem praticamente todos os setores, da banca ao desporto.

A ONU confirmou que pelo menos 3.496 civis morreram e 3.760 ficaram feridos, sublinhando que os números reais poderão ser muito superiores e só serão conhecidos quando houver acesso a cidades cercadas ou a zonas até agora sob intensos combates.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+