Tempo
|
A+ / A-

Exclusivo Renascença

Ataques em Cabo Delgado: Chissano diz que "inimigo é imprevisível, forte e desconhecido"

31 mar, 2021 - 16:00 • Pedro Mesquita , com redação

Antigo Presidente de Moçambique fala numa "guerra não declarada" e sai em defesa de Filipe Nyussi, o atual chefe de Estado que desvalorizou a dimensão do recente ataque em Palma, dizendo que "não foi maior que tantos outros".

A+ / A-
JOAQUIM CHISSANO
JOAQUIM CHISSANO

O antigo Presidente de Moçambique Joaquim Chissano mostra-se preocupado com os ataques terroristas no Norte do país, porque “o inimigo é imprevisível, forte, desconhecido e está a matar pessoas numa guerra não declarada.

“Estamos preocupados porque o inimigo é imprevisível, é forte, é desconhecido. Até agora, não se sabe muito bem o que pretende. Matam pessoas, é uma guerra não declarada, que não se sabe de onde vem”, afirma Joaquim Chissano, em entrevista à Renascença.

A província de Cabo Delgado está a ser alvo de sucessivos ataques terroristas desde 2017. Na semana passada, a 24 de março, em Palma foram mortos dezenas de civis. Entre os feridos está um trabalhador português, que foi transferido para a África do Sul.

Apesar disso, o Presidente moçambicano, Filipe Nyussi, desvalorizou esta quarta-feira a dimensão deste ataque, dizendo que "não foi maior que tantos outros".

É neste quadro que algumas vozes questionam a permanência do presidente na capital, quando existe uma guerra a Norte.

Neste ponto, Joaquim Chissano sai em defesa do atual chefe de Estado, sustentando que nos nossos dias "um comandante-em-chefe não fica dentro da batalha", isso era o que acontecia no tempo em que se lutava com espadas.

“O Presidente Nyussi fez mais do que eu, esteve muitas vezes nas áreas de teatro [de operações]. Um comandante-em-chefe não fica dentro da batalha, em nenhum país se faz isso. Talvez no tempo em que se lutava com espadas é que o rei ia à frente. Mas o Presidente Nyussi tem estado muitas vezes nesses lugares quentes.”

Joaquim Chissano defende, nestas declarações à Renascença, a estratégia do atual Presidente Filipe Nyussi e considera que “qualquer bom líder apela a que as pessoas não percam a calma, porque não se pode enfrentar o inimigo com pânico”.

Já questionado sobre se Moçambique já deveria ter pedido ajuda externa para combater, a Norte, o movimento terrorista Estado Islâmico, Chissano acredita que Maputo está em contacto com outros governos, mas lembra que já não é presidente e não se deve intrometer.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+