Tempo
|
A+ / A-

Crimeia. Merkel diz que sanções à Rússia são para manter

19 ago, 2016 - 11:22

A União Europeia acordou, em Junho, prolongar as sanções a Moscovo, na sequência da guerra com a Ucrânia e da anexação da Crimeia.

A+ / A-

Veja também:


A chanceler alemã considera que não há razão para que a União Europeia levante as sanções contra a Rússia. Numa entrevista publicada esta sexta-feira no jornal alemão online “RND”, Angela Merkel refere que Moscovo ainda não cumpriu todos os compromissos saídos do acordo de paz de Minsk.

Merkel sustenta que a Rússia provocou uma grave crise ao anexar a península da Crimeia, em 2014, com o apoio dos separatistas do Leste da Ucrânia, e que a Europa tem de reagir contra esta violação de princípios básicos.

A chefe do Governo alemão diz ainda que está a trabalhar em conjunto com o Presidente francês, François Hollande, para pedir à Ucrânia e à Rússia que implementem rapidamente o acordo de cessar-fogo, apesar das dificuldades, e que o futuro das sanções depende disso.

Em Setembro de 2014, Alemanha, França, Rússia e Ucrânia assinaram o Protocolo de Minsk (capital da Bielorrússia) com vista a pôr fim à guerra no Leste ucraniano.

O acordo foi assinado sob os auspícios da Organização Para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) e é composto por 13 pontos, entre os quais o cessar-fogo imediato nas regiões sob controlo separatista, de Donetsk e Lugansk e seu estrito cumprimento a partir das zero horas do dia 15 de Fevereiro de 2015.

O acordo nunca foi cumprido e, em Junho de 2016, a União Europeia acordou prolongar as sanções à Rússia até Janeiro de 2017. Antes, em Abril, o Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, reiterava o seu apoio aos esforços alemães e franceses para solucionar a crise ucraniana e afirmou que as sanções à Rússia só poderiam ser levantadas se fossem cumpridos os compromissos de Minsk.

Mas Moscovo faz ouvidos moucos e, nesta sexta-feira de manhã, o Ministério da Defesa russo confirmou que as forças navais e terrestres do país estão em treinos logísticos na Crimeia, a península anexada à Ucrânia em 2014.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • fr
    19 ago, 2016 Portugal 14:37
    adorava esta no passado...agora sei que é uma frustrada e nada de bom quer para a europa. odeio .a.
  • Mario
    19 ago, 2016 Portugal 13:32
    Estes novos políticos só mostram uma ignorância total da História. Os Americanos têm desculpa pois são broncos geneticamente, mas os Europeus deviam saber um pouco mais da História deste Continente, pelo menos saber que foi em Kiev que nasceu a Rússia. Em 1783 toda a Crimeia foi anexada à Rússia e teve início a construção das cidades de Sebastopol e de Simferopol.
  • jos
    19 ago, 2016 pais do nunca 12:57
    nao é para levar a serio a neta do hitler
  • CAMINHANTE
    19 ago, 2016 LISBOA 12:44
    Este é o caminho errado da UE ( e também dos "States" que insistem em mais do mesmo). A Crimeia é Russa. A Ucrânia nunca teve fronteiras definidas ( não tem grande história de Nação independente com área estável)), a Crimeia foi integrada na Ucrânia "recentemente ", por Gorbatchov, um Ucraniano que chefiou a ex URSS e que numa noite de comemoração bem regada a vodka deu-lhe para tal... mas na altura tanto fazia, porque o País era o mesmo - a URSS. Foram os Russos que expulsaram o invasor e ocupante Islâmico Otomano da Crimeia, a população é esmagadormente Russa e pretende continuar a sê-lo. Os Povos têm o direito à auto-determinação. Para a Europa ( e também para os "States") não é de nenhum interesse tera Rússia como inimiga. Os Ucranianos já Tem a sua pátria e território mais que suficiente. As sanções só prejudicam a economia Europeia, tão anémica que está. Acho que a Srª Merkel gosta de ter a Europa nesta "doença" de não recuperação efectiva, para manter a sua política "austeritária" de supremacia Alemã ... deixem-se de guerras de interesses das corporações e tornem-se realistas. A Crimeia é Russa. Pretender o contrário é invadir o direito do povo Russo que vive na Crimeia. Todos beneficiariam em normalizar as relações diplomáticas e comerciais. Todos. OS verdaeiros problemas são outros e os Russos são necessários à sua resolução.
  • Toninho Marreco
    19 ago, 2016 Lapa- Lisboa 12:17
    Sm sim . Continuam as sanções mas só para os produtos de outros países . Os mercedes e alguns outros produtos alemães podem continuar a ser exportados . Pera rocha , frangos , carne de porco , leite e outros produtos portugueses isso é que não poderá ser exportado . Gente fina esses alemães .

Destaques V+